Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

José Barão foi chefe de gabinete do ministro da Administração Interna, liderado por Eduardo Cabrita e, agora, foi nomeado pelo mesmo ministro para “número dois” do SEF, sem ter qualquer experiência relevante na área das imigrações. A notícia, avançada pelo Diário de Notícias esta sexta-feira, descreve José Barão como um boy do Partido Socialista que fez desde a juventude um percurso ligado ao partido, em vários cargos dirigentes na Juventude Socialista e, depois, funções como uma vereação na câmara de Setúbal.

É jurista, tem 42 anos, e foi chefe de gabinete de Cabrita quando o atual ministro da Administração Interna foi secretário de Estado adjunto da Administração Local, no governo liderado por José Sócrates (entre 2005 e 2009). Quando Cabrita foi nomeado ministro adjunto na governação da António Costa, em 2015, José Barão voltou a assumir as mesmas funções (que continuaram quando Cabrita passou para a Administração Interna na remodelação após os incêndios de 2017).

Porém, saiu do cargo na nova legislatura, iniciada em 2019, e nos últimos meses tinha vindo a dedicar-se a atividade de jurista na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, instituição a que está ligado desde 2011.

No SEF, José Barão passou a ocupar as funções que eram desempenhadas por José António Moreira, um inspetor do Tribunal de Contas que também tinha sido nomeado por Eduardo Cabrita em comissão de serviço. No despacho da nomeação, o ministro declara que José Barão “possui reconhecida idoneidade, experiência profissional e formação exigidas para o exercício das funções em causa”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR