O movimento tech4COVID19 foi criado por fundadores de startups portuguesas e já junta mais de 120 empresas e 600 pessoas de vários setores para ajudar o país na luta contra o coronavírus. O movimento quer encontrar soluções tecnológicas como melhorar o rastreio de redes de contágio e facilitar videochamadas entre médicos e doentes.

Além das medidas já referidas, o tech4COVID19 também quer criar um chatbot para se tirarem dúvidas dos apoios concedidos pelo estado às empresas e às pessoas singulares; acelerar a compra de material hospitalar e lançar um crowdfunding para compra desse mesmo material; disseminar informação, recrutamento e coordenação de profissionais de saúde ou ainda criar um sistema que permita à população verificar sintomas sem necessidade de ir ao médico; entre outras iniciativas.

Há tanto talento, potencial e uma capacidade de fazer coisas tão grande dentro das startups portuguesas que a nossa motivação foi direcionar esse potencial para iniciativas que ajudassem toda a gente nesta fase difícil”, afirma Felipe Ávila da Costa, porta-voz do grupo.

Em comunicado, os responsáveis do tech4COVID19 revelam que “tudo começou com uma conversa informal entre fundadores de startups tecnológicas” e que “rapidamente” o movimento cresceu para mais de 120 empresas. Atualmente, os responsáveis estão em contacto com profissionais de saúde e com as entidades competentes como a Direção-Geral da Saúde, os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde e as Administrações Regionais de Saúde para implementar estas iniciativas.

Neste movimento fazem parte startups e grupos do ecossistema português como a BrightPixel, a Unbabel, a Farfetch, a Forall Phones, a Infraspeak, a Startup Lisboa ou a Startup Portugal.