Perante o crescente aumento de contágios com coronavírus e face às rígidas medidas recém-anunciadas pelas regiões de Lombardia, Piemonte e Veneto, o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte decidiu “dar mais um passo” e lançar novas medidas de contenção a ser aplicadas em toda a Itália — pelo menos até ao próximo dia 3 de abril.

“Estamos a enfrentar a crise mais grave que este país já viu desde a Segunda Guerra Mundial. A morte de muitos dos nossos concidadãos é uma dor reforçada todos os dias”, explicou o governante em conferência de imprensa antes de anunciar a decisão de ” encerrar todas as atividades de produção não essenciais em toda a Itália”. Apesar de não entrar em detalhes sobre o que significa ao certo (e a quem afeta) esta tomada de posição, Conte disse que supermercados e mercearias não iam fechar, assim como as farmácias e parafarmácias.

Os “serviços públicos essenciais” também ficam garantidos, querendo isto dizer que “correios, agências de seguros, bancos e transportes” continuam em funcionamento. Conte diz estar ciente de que estas medidas são “severas”, “mas não há alternativa”.

Neste momento temos de resistir porque só assim conseguimos proteger-nos”

Assumindo que estas medidas “vão demorar algum tempo até surtirem efeito”, o primeiro-ministro italiano garantiu que por muito que o “motor produtivo do país” tivesse abrandado, não parou por completo.

O Estado está aqui, o governo vai intervir com medidas extraordinárias que nos vão permitir levantar a cabeça.

Lombardia endurece medidas restritivas

A região italiana da Lombardia, a mais afetada pela pandemia da Covid-19, endureceu hoje as medidas restritivas para conter o surto, decretando a proibição de fazer desporto e multas até 5.000 euros para reuniões em lugares públicos.

O decreto entra em vigor a partir de domingo e vigora até 15 de abril, explicou a região na sua página da Internet.

A Itália registou este sábado mais 793 mortos por Covid-19, um número recorde em 24 horas, subindo para 4.825 o número de óbitos registados num mês pelo novo coronavírus, indicam dados da proteção civil italiana.

As autoridades italianas anunciaram mais 6.557 casos positivos pelo novo coronavírus, o que representa mais um número recorde de infetados.

A região de Milão, na Lombardia, situada no norte do país, onde os serviços de saúde já estão sobrecarregados, registou a maioria das mortes, 546 das 793 contabilizados e a maioria dos novos casos de contágio. No total, a região regista 2.549 mortes e 22.264 infetados.

O país transalpino, onde a pandemia fez a sua primeira morte há um mês, é o mais afetado do mundo pela covid-19.

“Já não sei como dizê-lo: apenas com a limitação extrema dos contactos interpessoais podemos conseguir reverter esta tendência”, explicou o presidente da região da Lombardia, Attilio Fontana, numa nota.

A proibição de praticar desportos e atividades físicas ao ar livre, inclusivamente de forma individual, é uma das principais medidas impostas pelo decreto, que também proíbe mais de duas pessoas reunidas em locais públicos, com multas que podem ir até aos 5.000 euros.

O documento suspende as atividades artesanais, dos escritórios públicos e empresas profissionais, bem como os mercados semanais, menos as relacionadas com serviços essenciais, urgentes ou de utilidade pública, impede a utilização das máquinas de venda automática e interrompe as obras em curso, exceto as hospitalares e rodoviárias.

Todas as unidades de alojamento serão igualmente encerradas e os clientes deverão abandoná-las nas primeiras 72 horas após o decreto entrar em vigor, ficando de fora apenas os alojamentos relacionados com a gestão de emergências.

De acordo com o novo decreto, os profissionais de saúde terão direito a acompanhamento clínico antes do início do respetivo turno de trabalho.

A região aconselha também a população a manter um metro de distância em todos os momentos, como em transportes públicos, supermercados, farmácias e hospitais, recomendando que se facilitem medidores de temperatura corporal.