Sem certezas sobre como vai evoluir o surto do novo coronavírus em Portugal, traçam-se agora cenários, com diferentes horizontes temporais de incidência da epidemia. Uns são mais catastróficos do que o outros. O centro de estudos da Universidade Católica (NECEP) desenhou três cenários: no melhor, a economia cai 4% este ano, no central, 10%, e no mais pessimista, que pressupõe um prolongamento por seis meses da epidemia, a economia pode retroceder 20% num ano.

Um outro estudo do investigador português Nuno Fernandes, docente na Universidade Navarra, prevê que o PIB português recue entre 2,9% e 10,7% (se o surto se prolongar por 4 meses e meio). A confirmar-se as estimativas, Portugal será dos países mais afetados pela Covid-19. O Governo previa um excedente orçamental de 0,2% para 2020.

Cenários da Católica: 4%, 10% ou 20%?

Nas estimativas do grupo de economistas da Universidade Católica, a economia portuguesa podem recuar entre 4% e 20%. No cenário mais dramático, em que a fase crítica se prolonga por seis meses, a recessão pode chegar aos 20%; no cenário central, de três meses, a economia pode recuar 10%. Já no cenário mais otimista, em que a fase crítica não vai além de abril, a queda pode ser de 4%. Porém, para que este último se concretize, o Governo tem de pôr em prática “medidas adicionais e mais incisivas” além das que já foram anunciadas. Quais? Não especifica. Em qualquer um dos cenários, haverá um “agravamento significativo” do desemprego  e das perdas nos rendimentos das famílias.

Previsões da Universidade Católica

Nas previsões da Católica, a taxa de desemprego pode chegar aos 13,5% no cenário mas pessimista, 10,4% no central e 8,5% na situação mais otimista. No conjunto de 2019, a taxa de desemprego em Portugal fixou-se em 6,5%.

O NECEP considera ainda que o Governo português tem a “obrigação de compreender a necessidade de adotar medidas substantivas, estruturantes e credíveis que acalmem os agentes económicos e assegurem a necessária liquidez, sob pena de se deixar ultrapassar pelos acontecimentos históricos em curso”. O alerta vai mais longe: as medidas adotadas têm de ser reforçadas para proteger as empresas e as famílias.

O Governo português anunciou já algumas medidas avulsas que deverão ser reforçadas para proteger os indivíduos, as famílias, as empresas e as instituições que, sem um auxílio imediato, correm sério risco de colapsar por via do previsível aumento do desemprego e da generalização dos incumprimentos financeiros e das falências”.

Segundo a Católica, as administrações públicas e as “franjas da sociedade delas dependentes”, assim como os setores de abastecimento de bens e serviços essenciais são os setores mais protegidos no que toca ao emprego e rendimentos. Ainda assim, “estão sujeito a um risco de contração de atividade já que parte da procura produzida pode vir a não ser vendida nem paga por dificuldades de tesouraria por parte dos seus clientes diretos”.

Os mercados financeiros também mostraram já “um elevado nervosismo nos últimos dias, com perdas severas nos índices bolsistas e elevada volatilidade”. “Além de uma crise sanitária e económica, poderá juntar-se uma crise financeira por via da dificuldade em assegurar o normal funcionamento dos mercados. A evolução recente das taxas de juro implícitas (yields) nas obrigações do tesouro norte-americanas que alcançaram mínimos históricos são um bom indicador do enorme stress a que se encontram sujeitos os mercados financeiros a nível global”, aponta ainda a Católica.

A nível mundial, o cenário mais plausível passa por um “colapso abrupto das economias desenvolvidas”, embora exista uma “elevada incerteza sobre a dimensão e a duração da contração”.

Cenários do investigador Nuno Fernandes (Universidade de Navarra): 2,9%, 6,9% ou 10,7%?

Num outro cenário, o investigador português Nuno Fernandes, docente na IESE Business School, da Universidade Navarra, prevê que o PIB português possa recuar entre 2,9% (se a epidemia se prolongar por apenas um mês e meio) e 10,7% (até quatro meses e meio).

No caso mais otimista, em que a crise se estenda desde meados de março até final de abril, o investigador estima que Portugal entre em recessão, com uma quebra de 2,9%. A seguir a Itália, Portugal é, entre os países estudados, o que seria mais prejudicado pela Covid-19. Neste cenário, o desemprego aumentaria “significativamente”.

Só a China estaria a salvo de perdas no PIB (ainda assim, com um crescimento muito abaixo dos 6% estimados antes da crise), aponta o estudo.

Previsões para um cenário de um mês e meio

A crise económica deverá, no entanto, prolongar-se por mais de um mês e meio. “Nos países ocidentais, que impuseram proibições e restrições, os governos e as entidades do setor público serão muito cautelosas sobre um possível levantamento” dessas decisões.

Se a crise se prolongar até meados de junho, Portugal poderá ver um recessão de 6,9%, segundo as estimativas de Nuno Fernandes.

Previsões para um cenário de três meses

No cenário mais extremo, em que a crise dure até ao final de julho, o mundo “enfrentaria as condições económicas mais desafiantes de sempre”. “Nenhum país sairia ileso. O declínio do PIB seria, em média, perto de 8%. Como esperado, os países que estão mais dependentes do turismo são ainda mais afetados neste cenário, em que o verão estaria condicionado (mas não totalmente perdido)”, lê-se no estudo. Portugal teria a maior quebra entre os países estudados: 10,7%.

Previsões para um cenário de quatro meses e meio

Segundo Nuno Fernandes, as previsões dos impactos desta pandemia não podem ter por base a SARS (Síndrome respiratória aguda grave, entre 2002 e 2003) e a crise financeira de 2008/2009. O investigador defende que “uma recessão global é quase inevitável”.

O choque na procura e na oferta será agravado por fatores como “a natureza altamente integrada da economia mundial de hoje e o papel fundamental da China, centro do surto inicial”.