A saída massiva de pessoas da comunidade de Madrid, a região da capital espanhola, para outras partes do país levou a que o número de novos casos disparasse noutras partes do território nacional, com a região de Castilla-La Mancha a sofrer na pele as consequências desse movimento massivo.

Os cálculos são feitos pelo El Mundo, que aponta para uma subida em flecha após o fecho das escolas madrilenas (anunciado a 10 de março e executado no dia seguinte) e a declaração do estado de emergência em todo país no dia 15 de março, conforme anunciado pelo Presidente de Governo, Pedro Sánchez.

Por essa altura, milhares de habitantes de Madrid saíram da capital em direção às suas terras e às suas casas de segunda habitação na região de Castilla-La Mancha, uma das maiores do país — e que, além de ter uma população mais envelhecida, e por isso mais vulnerável, tem maior dificuldade no acesso a cuidados de saúde em comparação com os maiores centros urbanos.

Os números que se seguem são elucidativos da rapidez do contágio.

Entre 17 e 20 de março, os contágio subiram 217% em todo o país e 184% em Castilla-La Mancha. Porém, no período entre 20 e 26 de março, a ordem de grandeza foi invertida: em toda a Espanha os casos subiram 281% e em Castilla-La Mancha subiram 324%.

17% de parisienses saíram da região da capital

Em França, também houve uma saída massiva dos habitantes da região de Île-de-France, a mais populosa do país, já que é nela que se insere a cidade de Paris e todos os seus subúrbios.

De acordo com os cálculos da operadora de telecomunicações Orange, citados pelo Le Monde, 17% dos habitantes de Paris e arredores saíram daquela região entre 13 e 20 março. Os mesmos cálculos, feitos através da geolocalização dos seus clientes em cada região, apontam para um aumento da carga populacional em 30% na Île de Ré (uma estância balnear no Oeste), ou de 10% nos departamentos de Orne (na Normandia) e de Yonne (na região de Bourgogne-Franche-Comté).

Em Espanha e em França, milhares fogem das cidades — o que em Itália ficou provado ser uma “pura loucura”