O provedor da Misericórdia de Foz Côa disse neste sábado que o Lar Nossa Senhora da Veiga vai começar a receber novos voluntários para ajudar a cuidar dos mais de 40 utentes infetados pelo novo coronavírus.

“Há 16 voluntários que terminam a sua missão no domingo de Páscoa. Hoje chegaram mais dois voluntários. Amanhã contamos com mais oitos pessoas para colmatar as necessidades “, indicou à Lusa António Morgado.

O provedor adiantou ainda que foram solicitadas dez pessoas ao centro de emprego para ajudar a cuidar dos utentes, mas só duas responderam afirmativamente. A previsão do provedor é de que o lar, no distrito da Guarda, receba o apoio de um total de 12 novos voluntários.

António Morgado tinha já adiantado à Lusa que contratou mais dois enfermeiros, mas “serão necessárias mais pessoas para trabalhar no lar, devido ao número de auxiliares infetados pelo novo coronavírus”.

Dos 30 funcionários do Lar Nossa Senhora da Veiga, gerido pela Misericórdia de Foz Côa, 19 testaram positivo para a covid-19, sendo que um é profissional de saúde, precisou o responsável, na quarta-feira, admitindo hoje que não dispõe de novos dados.

A instituição contabiliza, até este sábado, cinco mortes de utentes devido à covid-19, com idades entre os 85 e os 100 anos.

Os primeiros 11 voluntários, estudantes de medicina e de enfermagem, chegaram ao lar no dia 30 de março. Depois de repartidos por equipas, começaram de imediato a dar apoio aos utentes infetados.

Segundo o provedor, todos os utentes e funcionários do lar da Misericórdia já foram testados, bem como pessoas suas conhecidas e familiares.

Os 11 utentes que tiveram teste negativo e permaneciam nas instalações do Centro de Gestão Agrícola, um espaço cedido pela autarquia, foram entretanto transferidos para um outro espaço da responsabilidade da Misericórdia “com melhores condições”.

Este lar encontra-se em regime de isolamento, tendo já sido alvo de um processo de desinfeção levado a cabo por uma empresa especializada, medida que foi estendida a outros locais daquela cidade do Douro Superior. O primeiro foco de infeção no lar foi registado no dia 25 de março.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 103 mil mortos e infetou mais de 1,7 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 470 mortos, mais 35 do que na sexta-feira (+8%), e 15.987 casos de infeção confirmados, o que representa um aumento de 515 em relação a sexta-feira (+3,3%).