A partir de segunda-feira, os estabelecimentos e empresas em Espanha que foram obrigados a encerrar devido à Covid-19 vão reabrir, depois de terem estado durante semanas encerrados. Para um regresso ao trabalho em segurança, o governo espanhol preparou um guia para trabalhadores e empresas, com várias recomendações de medidas de segurança. Objetivo: reduzir ao máximo o contágio. Em causa estão, sobretudo, trabalhadores da indústria ou da construção, e outros que não podem teletrabalhar. As lojas e os restaurantes continuam, para já, encerrados e o conselho do governo é para quem puder trabalhar em teletrabalho continuar a fazê-lo.

Para garantir a segurança, o Executivo espanhol também já anunciou que vai distribuir 10 milhões de máscaras aos trabalhadores que tenham de usar transportes públicos. O uso desta proteção, ainda que não seja obrigatório, é recomendado. Na lista do governo espanhol consta ainda a necessidade de as empresas estabelecerem horários de trabalho flexíveis — para evitar horas de ponta com transportes públicos apinhados. E as fardas de trabalho devem ser lavadas a uma temperatura entre os 60 e os 90 graus.

Covid-19: Espanha prolonga controlo nas fronteiras com Portugal e França

Há, depois, medidas já bem conhecidas: quem apresenta sintomas não deve ir trabalhar, deve ser mantida uma distância de segurança de, pelo menos dois metros, as mãos devem ser lavadas com frequência e os trabalhadores devem evitar tocar nos olhos, nariz e boca. Estão são as principais recomendações do governo espanhol:

Quem tem sintomas não deve ir trabalhar

Os trabalhadores que tenham sintomas associados à Covid-19 não devem ir trabalhar e têm de contactar a linha de apoio regional. Caso tenham estado em contacto com alguém infetado, mesmo que não apresentem sintomas, devem ficar em isolamento durante 14 dias. Também deverá permanecer em casa quem está nos grupos considerados de risco (grávidas, pessoas com hipertensão, diabetes ou cancro, entre outros). Nestes casos, se não puder teletrabalhar, o médico terá de passar um atestado de isolamento, equivalente a uma baixa médica.

Se puderem, os espanhóis devem optar pelo transporte privado. Nos transportes públicos, recomenda-se o uso de máscara

Segundo o governo, os trabalhadores devem dar optar por “transportes que lhes garantam maior distanciamento social” de, pelo menos, 2 metros. Caso vá a pé, de bicicleta ou mota, não é necessário usar máscara. Se usar o carro, deve ter atenção à limpeza do mesmo e deve circular apenas uma pessoa por fila (ou seja, uma à frente e uma atrás). O mesmo para quem usar táxi ou uma plataforma de transporte como a Uber.

No caso do autocarro ou metro, deve ser garantida a distância de segurança. Nestes casos, o governo recomenda que se usem máscaras faciais e já garantiu que as forças de segurança vão distribuir, a partir de segunda-feira, dez milhões de máscaras a quem viaja em transportes públicos para o trabalho e esteja em risco de não ver garantido o distanciamento de 2 metros.

Segundo o ministro do Interior espanhol, Fernando Grande-Marlaska, o uso de máscara “é recomendável, mas não é obrigatória. Se alguém não a quiser colocar, não a coloca”. A distribuição será feita nas estações de metro e de autocarros.

Horários serão flexíveis para os trabalhadores

O governo pede ainda às empresas que tenham horários de entrada e de saída diferenciados e flexíveis, para evitar aglomerados nos transportes públicos. “Deve organizar-se a entrada no trabalho de forma gradual, para evitar aglomerações nos transportes públicos e na entrada aos locais de trabalho”, escreve o ministério da Saúde. Se, devido à dimensão do espaço, não for possível garantir a distância de segurança, a empresa deve colocar os trabalhadores em turnos.

Garantir uma distância de dois metros entre funcionários

Durante o horário de trabalho, os funcionários devem manter uma distância de, pelo menos, dois metros e devem ser adiadas as atividades que impliquem aglomerados de pessoas. Nos locais de atendimento ao público, deve evitar-se ao máximo o contacto direto com os clientes: a afluência aos estabelecimentos tem de permitir garantir a distância de segurança; as entradas serão controladas e as pessoas que ficam na fila de espera devem, também elas, manter a distância de dois metros. O teletrabalho, se possível, deve ser a opção.

Para quem tem de trocar de roupa no trabalho, “a área do vestuário deve garantir que a distância interpessoal possa ser mantida e que haja armários individuais disponíveis para guardar as roupas”. “A retoma da atividade deve ser guiada pelo princípio de minimização do risco”, lê-se no guia.

No trabalho: usar equipamento de proteção e garantir a distância de segurança

As empresas são obrigadas a garantir equipamento de proteção individual aos trabalhadores nos casos em que não seja possível, de outra forma, evitar o risco. Têm ainda de fornecer quantidades adequadas de sabão, gel desinfetante e tecidos descartáveis, como lenços. E transmitir informação “atualizada” aos trabalhadores.

Em Espanha, acabou a paz podre em torno de Sánchez — e este suspira por um opositor como Rui Rio

As empresas devem também garantir um aprovisionamento suficiente de material de limpeza, para a higienização diária e reforçada dos espaços. Deve ainda ser reforçada a limpeza dos filtros de ar e aumentar-se o nível de ventilação para renovação do ar. Os equipamentos de trabalho não devem ser partilhados, mas, se tal não for possível cumprir, têm de ser desinfetados antes e após cada utilização.

Caso esta desinfeção também seja impossível, “lave as mãos imediatamente depois de os usar”. Idealmente, após o fim do turno, é necessário limpar cada área de trabalho. Cada empresa deve ainda ter um plano de contingência sobre como proceder perante casos suspeitos.

Fardas devem ser lavadas a, pelo menos, 60 graus

Quem usa fardas, deve colocá-los em sacos fechados até ao local de lavagem e lavá-los “num ciclo completo a uma temperatura entre 60 e 90 graus”.

Lavar as mãos, não tocar na cara

Há ainda medidas já densamente divulgadas. Por exemplo, os trabalhadores devem lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou com gel desinfetante durante 40 segundos. E, ao espirrar ou tossir, colocar um lenço descartável à frente da boca. Se não tiver lenços, “use o cotovelo”. Além disso, deve evitar tocar nos olhos, no nariz e na boca.