Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Artigo em atualização

No dia em que teve alta e deixou o St Thomas’ Hospital, em Londres — onde esteve internado durante uma semana —, o primeiro-ministro Boris Johnson deixou uma mensagem a agradecer ao Serviço Nacional de Saúde britânico e, em particular, a alguns profissionais de saúde.

Entre eles, fez referência a um enfermeiro português chamado Luís, de “perto do Porto” e que, juntamente com uma enfermeira neozelandesa chamada Jenny, passou 48 horas ao seu lado no hospital.

O profissional de saúde em questão é Luís Pitarma, um português de 29 anos, sabe o Observador. Natural de Aveiro, o enfermeiro mudou-se para Lisboa em 2009 para estudar na Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, curso que terá completado em 2013, depois de uma experiência de Erasmus na Universidade de Ciências Aplicadas, em Lahti, na Finlândia, segundo a informação apresentada no perfil de Linkedin.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No início do ano seguinte ter-se-á mudado para Londres onde exerce a profissão até à data. Primeiro, no Hospital Universitário Luton e Dunstable, que pertence ao serviço nacional de saúde britânico — durante este período ficou em segundo lugar num prémio que destaca os “enfermeiros graduados mais promissores”. Depois, no St Thomas’ Hospital, onde trabalha como enfermeiro na unidade de cuidados intensivo desde maio de 2016. Em abril do ano passado, tornou-se enfermeiro sénior. E desde outubro faz parte do programa de oxigenação por membrana extracorporal (ECMO), um procedimento para fornecer oxigénio ao coração e aos pulmões em doentes com dificuldades respiratórias. É nessa unidade que se encontra atualmente, e na qual prestou assistência a Boris Johnson.

Luís Pitarma concluiu ainda vários cursos paralelos focados em cuidados intensivos, no King’s Health Partner, um centro académico na área da saúde que pertence à Universidade de London South Bank, e no Royal Free Hospital, um dos mais conceituados hospitais para o ensino de cuidados de saúde.

O Presidente da República também já agradeceu ao enfermeiro português. Segundo um comunicado da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa “já transmitiu pessoalmente o seu agradecimento ao enfermeiro Luís Pitarma”. O presidente português aproveitou ainda o momento para estender o obrigado a “todos os profissionais de saúde portugueses que em Portugal e em todo o mundo estão a prestar uma ajuda decisiva no combate à pandemia”.

Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou ainda o especial reconhecimento dado por Boris Johnson a Luís Pitarma pelo seu trabalho e vigilância durante o internamento nos cuidados intensivos.

“Quero agradecer aos vários enfermeiros, homens e mulheres, cujo cuidado tem sido tão espantoso”, indica Boris Johnson no vídeo partilhado horas após a saída do hospital, nomeando em seguida vários profissionais de saúde que o terão acompanhado na última semana.

Espero que eles não se importem se mencionar dois enfermeiros em particular, que estiveram ao lado da minha cama durante 48 horas, quando as coisas poderiam ter tomado outro rumo. Eles são a Jenny da Nova Zelândia […] e o Luís, de Portugal — de perto do Porto. E a razão pela qual o meu corpo começou a ter oxigénio suficiente foi porque eles ficaram a vigiar-me durante cada segundo durante a noite e porque eles estavam preocupados em fazer tudo aquilo que eu precisava”, afirmou o primeiro-ministro britânico no vídeo.

Contactado pelo Observador, o St Thomas’ Hospital indicou, ao final da tarde deste domingo, que Luís Pitarma não se encontra disponível para fazer declarações. Durante a última semana, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson permaneceu internado naquele hospital e chegou mesmo a ser transferido para a unidade de cuidados intensivos deste hospital londrino.

Pode ouvir aqui o agradecimento de Boris Johnson ao enfermeiro português.

O obrigado de Boris Johnson ao enfermeiro Luís

“Isto vai acontecer, está a acontecer.” Os dias de uma enfermeira portuguesa nos cuidados intensivos em Londres

O chefe do executivo britânico não apresentou melhoras durante a quarentena e, com a persistência de febre, foi internado, 10 dias depois do diagnósticos. Johnson testou positivo ao novo coronavírus, tal como a namorada, Carrie Symonds, que se encontra grávida.