Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um dia depois da polémica em torno do pagamento por saldar da primeira prestação de Rúben Amorim ao Sp. Braga, que obrigaria a que os leões tivessem de realizar o mesmo até esta sexta-feira sob pena de ficar a dever não só a totalidade das outras tranches mas também multas previstas, Francisco Salgado Zenha, vice-presidente do Sporting com o pelouro das finanças e administrador da SAD, garantiu que os compromissos serão cumpridos mas que os verde e brancos fizeram um ato de gestão e que nem por isso terão de pagar qualquer coima por tal. Mais: de acordo com o dirigente, a hipótese de poder falhar as provas europeias na próxima época é um “não assunto”.

Sporting não pagou Rúben Amorim (porque não recebeu o que era suposto de outros) e quer reduzir custos com pessoal em 40%

“Em primeiro lugar é importante contextualizar a situação. Tem-se falado do caso Rúben Amorim como noutros quando estamos numa situação e num contexto nunca antes vividos e por isso é ridículo andarmos a falar de atrasos de pagamentos a fornecedores de 15 dias ou menos de um mês no contexto em que estamos. O Sporting pela primeira vez na história anunciou um lay-off, que não é o único porque há no país inteiro e no mundo inteiro, o FMI acaba de anunciar que Portugal vai ter a maior quebra no PIB de que há registo e neste contexto anormal falamos de atraso de pagamentos de dias a um fornecedor. Ou não se percebe o contexto em que se está ou não se sabe o que é gerir uma empresa nestas condições”, começou por referiu, em entrevista à SportTV.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O que o Sporting tem feito é uma gestão séria e preocupada, tendo em conta o contexto e a necessidade de criar a maior almofada possível e as melhores condições para ultrapassar um contexto inacreditável. Ainda assim, e em comparação com março de 2019 ou março de 2018, o Sporting está hoje numa posição mais confortável. Em condições difíceis e tomando medidas difíceis, queremos passar pela crise mitigando ao máximo o seu impacto, saindo vivos para retomar a atividade dentro da normalidade possível. Não é só a pandemia, são os meses que se vão seguir. Alguém sabe se está a vender bilhetes de época em junho ou julho? Se os estádios estão abertos em julho ou agosto? Esta é uma gestão preocupada que prepara o mundo a seguir à Covid-19″, prosseguiu, antes de entrar especificamente no tema da contratação de Rúben Amorim e dos prazos de pagamento.

Sporting coloca funcionários do clube em lay-off por 30 dias, com três regimes diferentes aplicados

“Não vou entrar em detalhes do contrato, que são confidenciais. Se o Sp. Braga fez isso, não estou de acordo. Mas de uma forma genérica o Sporting não falhou nenhum pagamento relevante relativo a acordos deste estilo antes da Covid-19 e do Estados de Emergência. E vai cumprir com todas as suas responsabilidades, só está a tentar gerir as coisas para passar a crise da forma menos má possível. Estava preciso e bastante claro que íamos pagar até ao final do segundo prazo [final de março] mas houve uma alteração de contexto. Aliás, está previsto na lei que alterações de circunstâncias fundamentadas por coisas anormais, como é o caso. Não há nada mais anormal…”, disse, antes de falar noutros pagamentos falhados e do fair-play financeiro.

Sporting confirma contratação de Rúben Amorim por 10 milhões de euros

“Também tenho clientes que me estão a falhar pagamentos agora, alguns que falham há uns meses e outros que vão falhar e querem já alterar as condições e os prazos de pagamento. Há determinados clubes que se esquecem do contexto e tentam jogar com os media para criarem algum tipo de pressão. Ainda por cima no dia em que anunciámos o lay-off, que foi o ato de gestão mais difícil que tomámos, com colaboradores que ganham muitas vezes pouco… As receitas desta indústria, como noutras, sofreram cortes quase totais. Sobre o IVA, é um não assunto, porque é dedutível. Eventuais penalidades pelo atraso? O Sporting vai pagar os dez milhões com o plano de pagamento que anunciou mas houve uma alteração de circunstâncias. Tenho de gerir a tesouraria de outra forma, não temos receitas. Fair-play financeiro? O fecho dessa janela é 31 de março mas abrange os resultados até final de dezembro, só isso respondia. E a UEFA ainda adiou um mês essa janela”, argumentou.

Bruno de Carvalho, Benfica, Leonardo Jardim, oposição interna: a declaração de Varandas sobre Amorim, nas entrelinhas

Por fim, Francisco Salgado Zenha manifestou a surpresa positiva pela solidariedade demonstrada por todos os colaboradores com quem falou, e que “fizeram o esforço para aceitarem o plano de forma construtiva”, e também do plantel de futebol. “A decisão foi colegial, unânime e assinámos o acordo com todos os jogadores cujo o passe é detido pelo Sporting. Vai-me surpreender muito se todos os clubes não o fizerem”, disse, assumindo a posição difícil e a tentativa de criar as melhores condições para sair da mesma. Sobre o regresso da Liga, o dirigente frisou a crença de que as dez últimas jornadas perante determinadas condições e um plano de ação bem feito mas admitiu que o cenário mais provável é que o futebol volte mesmo numa fase inicial à porta fechada.

“O clube vai aceitar a proposta mas a administração da SAD vai abdicar do aumento salarial”, garante Salgado Zenha