O embaixador da China na Austrália deixou numa entrevista a sugestão de um boicote por parte da China e dos seus cidadãos a produtos australianos, depois de o seu primeiro-ministro ter criticado a gestão da pandemia da Covid-19 feita pelo regime chinês

Estas declarações levaram a que o Governo da Austrália convocasse o diplomata Cheng Jingye para uma reunião, conforme avançou o ministro do Comércio, Simon Birmingham. “A Austrália não vai voltar aos tempos em que muda a sua política no que toca a um tema de saúde pública de grande dimensão por causa de coerção económica ou ameaças de coerção”, disse.

O incidente diplomático surgiu, desta vez, a propósito das declarações do embaixador chinês na Austrália ao Australian Financial Review. “O público chinês sente-se frustrado, espantado e desiludido com o que a Austrália está a fazer agora”, disse o diplomata Cheng Jingye.

“A longo prazo, se o ambiente for de mal a pior, as pessoas podem pensar ‘porque irei a um país que não é lá muito amigável com a China?’. Os turistas podem hesitar”, disse. E acrescentou:

Cabe às pessoas decidirem. Talvez as pessoas comuns vão dizer ‘porque é que haveria de beber vinho australiano ou comer carne de vaca da Austrália?'”

A sugestão de um boicote comercial tem particular peso, já que a China ainda é o maior parceiro comercial da Austrália, apesar de a relação entre os dois países ter sido especialmente tensa nos últimos anos. Cheng Jingye tocou ainda naquele que é a terceira maior exportação da Austrália, os serviços de educação (atrás apenas do carvão e dos minérios de ferro, nesta ordem), dizendo que os pais chineses podem deixar de enviar os seus filhos para estudarem num país “hostil”.

Esta reação do embaixador chinês vem na sequência da posição tomada pelo Governo da Austrália de pedir, à semelhança do que os EUA já fizeram, uma investigação independente à gestão da pandemia por parte da China e também à Organização Mundial de Saúde (OMS). A posição foi defendida pela ministra dos Negócios Estrangeiros da Austrália, Marise Payne, que disse a 19 de abril estar “preocupada em termos de transparência” e que por isso a Austrália iria “absolutamente insistir” numa investigação.

Quais são os países que já investigam e pedem contas à China

Agora, a chefe da diplomacia australiana acusou o embaixador da China na Austrália de “coerção económica”.

“Rejeitamos qualquer sugestão de coerção económica, [porque] não é a resposta apropriada num momento em que precisamos de cooperação global”, disse Marise Payne.