563kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Morreu o músico brasileiro Ciro Pessoa, fundador da banda Titãs

Este artigo tem mais de 2 anos

Ciro Pessoa, um dos fundadores da banda de rock Titãs, morreu na madrugada de terça-feira, aos 62 anos, vítima da infeção provocada pelo novo coronavírus, após cinco dias nos cuidados intensivos.

Além dos Titãs, o artista fez parte de outras bandas como Cabine C e Flying Chair, com quem publicou o seu mais recente trabalho
i

Além dos Titãs, o artista fez parte de outras bandas como Cabine C e Flying Chair, com quem publicou o seu mais recente trabalho

D.R.

Além dos Titãs, o artista fez parte de outras bandas como Cabine C e Flying Chair, com quem publicou o seu mais recente trabalho

D.R.

O músico brasileiro Ciro Pessoa, um dos fundadores da banda de rock Titãs, morreu na madrugada de hoje, aos 62 anos, na sequência de infeção causada pelo novo coronavírus, anunciou a família.

O músico permaneceu durante cinco dias internado na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital das Clínicas, em São Paulo, onde familiares dizem que foi diagnosticada a infeção pelo SARS-CoV-2, Covid-19, provavelmente adquirida nas visitas feitas à unidade de saúde, durante o tratamento de um cancro.

Membro dos Titãs em seus anos iniciais de formação, na década de 1980, Ciro Nogueira participou na composição de canções famosas como “Sonífera Ilha” e “Homem Primata.”

Além dos Titãs, o artista fez parte de outras bandas como Cabine C e Flying Chair, com quem publicou o seu mais recente trabalho.

Nascido em São Paulo em 1957, formou os Titãs (inicialmente Titãs do Iê-Iê), em 1981, com Branco Mello, Tony Bellotto, projeto em que se manteve nos seguintes, e para os quais coassinou músicas como “Sonífera Ilha”, “Toda Cor”, “Homem Primata” e “Babi Índio”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Formou depois Os Jetsons e os Ricotas do Harlem, grupos de curtíssima duração, antes de lançar o projeto de inspiração gótica Cabine C, com quem fez o álbum de estúdio “Fósforos de Oxford”.

Na década de 1990, seria a vez de Ciro Pessoa e Seu Pessoal, grupo de linha pop, e de o músico se dedicar à crónica, publicando textos como “Caminho Afora” (2002) e “O Mundo dos Sonhos” (2004), relatos de viagem que lhe deram o Prémio Abril, e que coligiu no seu blog O Mundo de Mantraman.

Na viragem para os anos 2000, criou outro projeto musical, Ciro Pessoa & Ventilador.

Num reencontro com Branco Mello publicou o álbum infantil “Eu e Meu Guarda-Chuva”.

Em 2003 deu início a uma carreira a solo, com o álbum “No Meio da Chuva Eu Grito ‘Help!'”, a que se seguiria “Em Dia com a Rebeldia”.

As bandas Nu Descendo a Escada e Flying Chair deram origem aos seus últimos projetos musicais.

Membros dos Titãs usaram na terça-feira as redes sociais para manifestar tristeza pela morte de Ciro Pessoa.

O cantor e compostor Nando Reis escreveu na sua conta no Facebook que acabara de “saber da morte de Ciro Pessoa, membro importante na formação dos Titãs, amigo constante de convivência e conversação na época. São Paulo, era nossa cidade, espaço-lugar para nossa criação e trânsito.”

“Ele se foi, a vida continua, a música é eterna, e a tristeza me invade. Ciro Pessoa, pessoa única, marcou minha vida”, acrescentou.

Branco Mello contou em sua conta nos Instagram estar “profundamente triste com a partida nessa madrugada” de seu “irmão, músico, poeta e primeiro grande parceiro, Ciro Pessoa. Foi dele a ideia de reunir os amigos compositores no começo dos anos 80 para fazermos uma banda de rock e assim formámos os Titãs”.

“Siga em paz querido Ciro. Descansa meus olhos, sossega minha boca, me enche de luz”, completou Mello mencionando trechos da música “Sonífera Ilha”.

A mesma mensagem também foi publicada por Arnaldo Antunes, outro artista fundador do Titãs.

O Brasil contabiliza 7.321 óbitos e 107.780 casos de infeção desde o início da epidemia no país.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 251 mil mortos e infetou quase 3,6 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de um 1.1 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.074 pessoas das 25.702 confirmadas como infetadas, e há 1.743 casos recuperados, de acordo com dados divulgados hoje pela Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.