A Organização Mundial de Saúde disse esta terça-feira que se têm obtido “dados potencialmente positivos” em alguns dos tratamentos para a Covid-19 que estão a ser testados. “Temos dados potencialmente positivos prestes a serem divulgados, mas precisamos de ver mais dados para estarmos 100% confiantes de que podemos escolher um tratamento sobre o outro”, disse Margaret Harris, porta-voz da OMS.

A responsável pela organização respondia a perguntas sobre a Solidarity Trial, uma iniciativa da OMS para comparar tratamentos não testados em doentes mais graves da Covid-19. “Temos alguns tratamentos que parecem estar em estudos muito precoces, mas limitam a gravidade ou a duração da doença“, confirmou.

No entanto, Margaret Harris também ressalva que são precisas mais análises e que, até este momento, “não temos nada que possa matar ou interromper o vírus”. A porta-voz da OMS não comentou que tratamentos eram esses, prometendo a publicação de resultados preliminares para breve. Mas, segundo a Reuters, terá indicado que há “quatro a cinco” especialmente interessantes para os especialistas.

Remdesivir já pode ser usado em Portugal. Será este medicamento eficaz contra a Covid-19?

Enquanto prossegue a busca por uma vacina que evite a infeção pelo novo coronavírus, outros medicamentos estão a conquistar a atenção da comunidade científica. Um deles é o Remdesivir que, de acordo com o laboratório norte-americano Gilead Sciences, obteve “resultados positivos” quando administrado a doentes da Covid-19.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De acordo com a Gilead Sciences, “os pacientes que receberam o tratamento de 10 dias chegaram a resultados positivos semelhantes em termos de estado clínico que os tratados durante cinco dias”.

Segundo a empresa, isto significa que “poderá expandir-se significativamente o número de pacientes que poderiam ser tratados com nosso suprimento atual de Remdesivir”: “Isso é particularmente importante no cenário de uma pandemia, para ajudar hospitais e profissionais de saúde a tratar mais pacientes com necessidade urgente de cuidados”, defenda o laboratório.