Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A discussão já não é sobre se se diz “guife” ou “gife” (foneticamente é “guife”, isso já foi discutido). Agora, a discussão é se o Facebook pode avançar com a compra do Giphy por 400 milhões de dólares, o maior serviço online para criação e partilha destas imagens animadas. Como conta o The Verge, o anúncio desta aquisição já faz “soar alarmes” no Congresso dos EUA e pode mudar plataformas como o iMessage (da Apple), o Twitter ou o Tik Tok.

O Giphy permite criar e partilhar facilmente Gifs na maioria dos sites na internet. A título de exemplo, é a plataforma que o Observador tem utilizado para fazer análises a telemóveis com estas imagens e que permite deixar abaixo (na maioria das plataformas) imagens bastante partilhadas como esta:

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.