O ex-presidente do Brasil, que liderou o país entre 2003 a 2010, encontra aspetos positivos na pandemia que já matou 17.971 pessoas no Brasil. “Ainda bem que a natureza, que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus. Porque esse monstro está permitindo que os cegos enxerguem, que os cegos comecem a enxergar, que apenas o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises”, disse o ex-presidente brasileiro em entrevista à Carta Capital, considerando que cabe apenas ao Estado resolver esta crise pandémica.

A declaração foi polémica o suficiente para, horas depois, na rede social twitter, o ex-presidente brasileiro ter pedido desculpa por uma “frase totalmente infeliz”. Lula da Silva foi libertado em novembro de 2019, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional a prisão após condenação em segunda instância. O ex-presidente esteve preso um ano e sete meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do caso do triplex no Guarujá, como lembra o jornal Estado de Minas.

“Quando eu vejo alguns discursos dessas pessoas, falando, quando eu vejo, sabe, essas pessoas acharem bonito que tem que vender tudo que é público, que o público não presta nada… Ainda bem que a natureza, que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus”, disse.

Ainda na entrevista, disse também que se não fosse a pandemia, sairia à rua a gritar “Fora Bolsonaro”. O que não significa que a sua vontade seja recandidatar-se.

Lula: “O povo precisa criar condições para votar impeachment de Bolsonaro”

No mesmo dia, Lula da Silva tinha afastado, através da rede social Twitter, qualquer possibilidade de se recandidatar nas eleições presidenciais previstas para 2022, mas disse que quer impedir que o Brasil tenha outro chefe de Estado como Jair Bolsonaro, atual mandatário do país.

“Tenho repetido que, quando chegar em 2022, eu vou estar com 77 anos de idade. Eu não tenho porque ser candidato a Presidente. Eu já fui. O que eu não vou deixar é esse país voltar a ter um Presidente da ‘qualidade’ do Bolsonaro“, escreveu o histórico líder do Partidos dos Trabalhadores na rede social Twitter, na noite de terça-feira.

“O Bolsonaro poderia ter chegado e dito às pessoas: ‘Olha, eu não tenho a solução, não tenho a vacina. Mas vamos ter cuidado, nos cuidar, conversar para preservar os empregos’. Era o que esperava de um chefe de Estado preocupado com 210 milhões de pessoas“, indicou ainda o antigo mandatário, acrescentando que “se não fosse o coronavírus”, já “estaria na rua gritando ‘Fora Bolsonaro'”.

Lula da Silva referia-se à posição do atual Presidente em relação ao combate à pandemia da Covid-19, que tem estimulado a população a regressar ao trabalho e criticado as medidas de isolamento social decretadas por governadores e prefeitos.

Para Bolsonaro, que está mais preocupado com a paralisação económica do país, a Covid-19 “infetará 70% da população mais cedo ou mais tarde” e “matará muitas pessoas”, independentemente das medidas de confinamento adotadas. O ex-Presidente admitiu ter “consciência” de que “poderia ter feito mais” enquanto liderou o país sul-americano por quase uma década, motivo pelo qual diz ter tentado a reeleição em 2018: “É um processo de aprendizagem. Se você olhar 10 anos atrás, sempre tem coisa que você poderia feito diferente. E melhor”, defendeu.

Lula pede desculpa por “frase totalmente infeliz”

Já esta quarta-feira, Lula da Silva pediu desculpas pelas suas declarações polémicas de terça-feira, quando avaliava positivamente o impacto da pandemia na agenda neoliberal.

“Usei uma frase totalmente infeliz. E a palavra desculpa foi feita pra gente usar com muita humildade. Se algum dos 200 milhões de brasileiros ficou ofendido, peço desculpas. Sei o sofrimento que causa a pandemia, a dor de ter os parentes enterrados sem poder acompanhar”, escreveu o ex-Presidente brasileiro no Twitter.