Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Questionado sobre se integraria um próximo Governo se recebesse um convite, Salvador Malheiro não descartou essa hipótese. “São aquelas questões… Nunca podemos dizer que não, mas a minha grande prioridade é Ovar, é exercer política de cariz autárquico, mas o futuro a Deus pertence”, respondeu o autarca social-democrata.

A política são cargos passageiros. Fiz um mandato, estou agora no segundo e com toda a certeza me vou candidatar novamente à câmara de Ovar. Acho que não há nada mais dignificante do que nós sermos presidentes da nossa terra e das nossas gentes.(…) Política é povo”, disse em entrevista à apresentadora Cristina Ferreira.

O presidente da Câmara Municipal de Ovar esteve esta segunda-feira no programa apresentado por Cristina Ferreira, na SIC, onde afirmou ainda que a “união política” foi determinante no combate à Covid-19: “Acho que é decisivo para o futuro nós continuarmos com esta necessidade extrema de termos consciência que temos de conviver com o vírus e proteger os outros, só assim é que podemos continuar a ser um exemplo para o mundo. Porque Portugal, graças a Deus… esta união de todos, até união política, foi decisiva. Estamos a ser um exemplo para o mundo, tal como Ovar está a ser um exemplo para Portugal.”

Marcelo abraça PSD em Ovar: Rio é “exemplo”, Malheiro um “herói” e falar das presidenciais “é um desperdício”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As declarações de Salvador Malheiro surgem poucos dias depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter homenageado Salvador Malheiro. “Foi um herói, acompanhou a par e passo, dia a dia” todas as fases da pandemia. “Nunca desistiu, nunca se resignou, teve uma coragem inimitável”, disse o presidente da República.

Salvador, o nadador: do bar da praia a presidente da câmara (até ser braço direito de Rio)

Ovar foi o primeiro município do país a entrar em estado de calamidade, tendo uma cerca sanitária entre 17 de março a 17 de abril. “Foi a cerca sanitária mais duradoura, mais penalizada e mais resistente”, recordou Marcelo na sexta-feira, dia em que visitou Ovar. Sobre esse período, marcado por “momentos de aflição”, Salvador Malheiro disse sentir-se “orgulhoso” e até “um pouco vaidoso”. “Conseguimos estar à altura do problema, o problema não está resolvido, mas está claramente controlado.”