O Reino Unido registou mais 324 mortes nas últimas 24 horas, somando 38.161 óbitos durante a pandemia de Covid-19, anunciou esta sexta-feira o ministro das Finanças, Rishi Sunak, durante a conferência diária de imprensa do governo sobre a crise.

O aumento é inferior às 377 mortes registadas na quinta-feira relativamente ao dia anterior, e reflete a tendência constante de redução da mortalidade observada desde meados de abril.

Desde quinta-feira foram diagnosticados mais 2.095 infetados, contribuindo para os 271.222 casos de contágio verificados até agora no Reino Unido. 

Embora se mantenha no segundo nível mais alto de uma escala de cinco relativamente à situação da pandemia no país, o governo britânico está a preparar-se para passar à segunda fase do fim do confinamento na segunda-feira, com a reabertura parcial de escolas primárias.

O alívio inclui o encontro de grupos de até seis pessoas em parques ao ar livre, incluindo para piqueniques e churrascos, e em jardins privados, mas mantendo o respeito pelo distanciamento social.

Estas medidas aplicam-se a Inglaterra, pois, devido à autonomia da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, os regimes de confinamento têm regras e calendários distintos nas diferentes regiões do Reino Unido.

A partir desta sexta-feira, é permitido na Escócia o encontro ao ar livre de grupos de até oito pessoas de dois agregados familiares, a reabertura de lojas de jardinagem e centros de reciclagem e a prática de alguns desportos, como o golfe, bem como o reinício de trabalhos da construção civil.

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em layoff devido à pandemia de Covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro, foi esta sexta-feira anunciado.

O ministro das Finanças, Rishi Sunak, que falava na conferência de imprensa diária do governo britânico, disse que, a partir de setembro, o valor passa para 70% do salário e no último mês em funcionamento para 60%.

O governo quer também que os empregadores passem a pagar contribuições para a segurança social e para os fundos privados de pensões de aposentação a partir de agosto.

“Eu compreendo que empresas e empregadores estejam a passar por um momento muito difícil, por isso decidi que paguem apenas uma contribuição modesta introduzida lentamente ao longo dos próximos meses”, justificou, durante a conferência de imprensa diária do governo sobre a crise.

Porém, vincou Sunak, o sistema, em vigor desde março e que garante o pagamento de 80% dos salários até 2.500 libras por mês (2.850 euros) “não pode continuar indefinidamente”.

O “esquema de retenção de empregos” foi criado para ajudar empresas afetadas pela interrupção na atividade económica durante o confinamento decretado a 23 de março para evitar o despedimento maciço de pessoas.

De acordo com o governo, cerca de 8,4 milhões de trabalhadores estão em regime de layoff, abrangendo um milhão de empresas, juntando-se a 2,3 milhões de trabalhadores de conta própria cujo rendimento também foi coberto até 80%.

Esta sexta-feira, o ministro adiantou que os trabalhadores por conta própria poderão reclamar um segundo pagamento de até 6.570 libras (7.284 euros).

Números divulgados esta semana pelo governo revelaram que, até à semana passada, o custo total de ambos sistemas ascendeu até 21,8 mil milhões de libras (2,35 mil milhões de euros).

Um inquérito da organização patronal Institute of Directors publicada na quinta-feira mostrou que apenas metade das empresas se sente financeiramente capaz de cobrir 20% dos salários dos seus funcionários e 25% afirma não ter capacidade para contribuir qualquer valor para os salários dos empregados.