O R, o indicador que permite medir a capacidade de contágio da Covid-19, continua perto de 1 apesar de Portugal ter entrado na fase de desconfinamento. Dados relativos ao final de maio e início de junho, divulgados pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge, mostram que o número de reprodução “se mantém acima ou muito próximo de 1”.

O relatório do instituto, datado de 4 de junho, refere que, “nos últimos 5 dias de análise”, o Rt, o número médio de casos secundários resultantes de um único caso de infeção, medido em função do tempo, “foi de 0,99 ao nível nacional”, indicando que “o número de novos casos” tem sido constante “a cada geração”. O valor foi superior na região Centro (1,06) e de Lisboa e Vale do Tejo (1,02), mas inferior no Norte (0,88). Os valores dos parâmetros de transmissibilidade para as restantes zonas do país não foram incluídos no relatório “devido ao reduzido número de casos reportados”.

“R” volta a subir e ameaça regresso à normalidade. Que número é este e porque é tão importante?

Entre finais de abril e meados de março, a estimativa do Rt variou entre 0,81 e 2,39, “observando-se uma tendência de decréscimo” desde o dia em que foi anunciado o fecho das escolas, 12 de março, “com quebras mais acentuadas” nos dias 16 (quando os estabelecimentos de ensino fecharam) e 18 de março (quando foi decretado o estado de emergência).

Segundo o Instituto Ricardo Jorge, a partir de final de abril, “tem-se observador um aumento do valor Rt, mantendo-se este abaixo ou muito perto de 1. No entanto, com base nos dados atuais, desde 14 de maio que se mantém acima ou muito próximo de 1”.

Infarmed. A reunião mais política do que técnica deixou Costa com dúvidas — tantas, que teve de seguir para outro encontro com especialistas

Relativamente ao R0, o número básico de reprodução que deve ser calculado na fase inicial da epidemia, “ainda sem todas as medidas de contenção e atraso implementadas”, a média estimada foi de 2,07 entre 21 de abril e 16 de março, indicando um crescimento epidémico que corresponde ao início da epidemia. O valor verdadeiro pode estar entre 1,96 e 2,18, “com uma confiança de 95%”, apontou o instituto.

Os dados mais recentes divulgados pela Direção-Geral de Saúde apontam 34.885 infetados e 1.585 mortes por Covid-19 no país desde o início da pandemia. Esta segunda-feira foram confirmados mais 192 casos de infeção e seis vítimas mortais.