Quando Bernardo Silva dá uma entrevista, algo está desde logo garantido: a imprevisibilidade. A forma natural como o jogador português fala de praticamente tudo, desde o futebol à vida mais normal, passando pelo Manchester City e pela Seleção Nacional, traz sempre revelações inesperadas e histórias com a sua quota-parte de humor. Desta vez, Bernardo surpreendeu ao contar que tem a árvore de Natal montada em casa há cerca de ano e meio.

“A minha árvore de Natal ainda está montada. A minha mãe veio passar o Natal comigo há um ano e meio. Com os jogos a 26 e 27 de dezembro, não posso ir a Portugal passar o Natal com a minha família. Não tinha decorações nenhumas. Ela disse: ‘Vais comprar uma árvore de Natal’. Disse-lhe que se montasse a árvore de Natal, nunca a iria desmontar. E assim tem sido. Habituei-me e adoro ter a minha árvore de Natal montada o ano todo. O Natal é quando um homem quiser”, disse o médio de 25 anos numa conversa com o podcast 606 Savage Social.

Bernardo Silva sobre Jorge Jesus, Mbappé e a inteligência que é “o mais importante no futebol”

Na mesma entrevista, Bernardo falou sobre o “exemplo” que Cristiano Ronaldo representa para os restantes jogadores portugueses. “Vai ser algo especial e único dizer aos meus filhos e netos que lhe dei algumas assistências. É um exemplo dentro e fora de campo. Na Seleção, treinamos de manhã. À tarde, toda a gente joga às cartas ou PlayStation, mas ele vai para o ginásio. Nos grandes momentos, quando precisamos mais dele, está sempre lá”, disse o jogador ex-Mónaco, que sublinhou ainda que comparar Ronaldo com Messi é “uma discussão que não é discutível”. “Acho que temos de nos sentir privilegiados por podermos vê-los juntos ao mesmo tempo. São dois dos melhores jogadores de sempre — se não os dois melhores jogadores de sempre”, atirou Bernardo Silva.

O médio formado no Benfica recordou ainda a “sensação fantástica” que foi saber do interesse do Manchester City, quando ainda estava no Mónaco, em 2017. “Quando jogámos contra o City [nos oitavos de final da Liga dos Campeões de 2016/17], a atmosfera foi fantástica. Depois do jogo, disse aos meus colegas: ‘Uau, a atmosfera em Inglaterra é ótima. Um dia, gostava de jogar lá'”, recordou Bernardo Silva, que meses depois acabou por assinar pelo clube inglês, onde já conquistou oito troféus e que considera uma “ótima escolha”.

O Manchester City pagou 50 a 60 milhões por Bernardo Silva, o Messizinho do Seixal. Porquê?

E de Manchester, a cidade onde vive há três anos, só tem bem a dizer. “As pessoas são tão divertidas e estão sempre de bom humor. Não é fácil encontrar uma vibe como a de Manchester. Bebes uma cerveja com alguém que não conheces no pub ao lado de tua casa”, garante o jogador português, acrescentando que “para lá do tempo”, a adaptação à cidade inglesa foi “mais fácil” do que aquilo que havia pensado. Desafiado para construir um cinco ideal com jogadores com quem jogou, a principal indecisão foi no meio-campo, onde além de si próprio ficou dividido entre Fernandinho e Fabinho — a escolha inicial seria De Bruyne ou David Silva, mas aí precisaria de “alguém para defender ao lado”. De resto, Ederson na baliza, Ricardo Carvalho na defesa, Mbappé e Cristiano Ronaldo no ataque. Contas feitas e os jogadores são já seis. “Nunca fui bom a matemática!”, justifica Bernardo.