Na inquirição de testemunhas ouvidas no local pela PSP após o homicídio de Bruno Candé, ator negro que foi morto a tiro por um homem de cerca de 80 anos em plena rua, não houve relatos de insultos ou ameaças racistas.

A garantia começou por ser dada ao jornal Público pelo comissário do Comando Metropolitano de Lisboa (COMETLIS) da PSP, Luís Santos, que afirmou que “da inquirição das testemunhas todas do local, ninguém fala de atos racistas”. Ao Observador, o comissário corroborou o que antes dissera:

Temos ouvidas seis testemunhas. Nenhuma das testemunhas falou nisso, nenhuma falou em racismo”, apontou o comissário.

Notando que não tem “acesso aos autos formais” nem “ao que vai constar do teor da acusação” do Ministério Público, o comissário do COMETLIS da PSP refere que as testemunhas “estavam na via pública e ouviram os disparos”, não tendo ouvido insultos ou ameaças racistas. Diz mais: os relatos das testemunhas ouvidas no local parecem apontar para “algum desaguisado” entre “os dois sujeitos processuais”, não havendo ainda qualquer indício de que o desaguisado estivesse relacionado com “a cor da pele” da vítima.

“Não tenho acesso a qualquer informação que me leve a poder dizer que A chamou nomes a B ou C, discriminatórios em termos de cor de pele”, referiu ainda o comissário Luís Santos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Após o homicídio de Bruno Candé, a família do ator de 39 anos anunciou em comunicado que três dias antes do crime este já havia sido ameaçado de morte, tendo sido alvo de “vários insultos racistas” por parte do suspeito de homicídio.

Face a esta circunstância”, a família considerou que “fica evidente o caráter premeditado e racista deste crime” e exigiu que “a justiça seja feita de forma célere e rigorosa”.

As motivações do crime estão ainda a ser investigadas pelas autoridades. Logo no dia em que o ator foi assassinado, a PSP anunciou não ter para já indícios sólidos que apontassem para que a motivação do crime tivesse sido ódio racial.

Chega diz que “Portugal é o país menos racista da Europa, talvez do mundo”

A direção nacional do Chega sustentou este domingo que a morte do ator Bruno Candé Marques, baleado no sábado em Moscavide, é uma tragédia sem relação com o racismo e acusou a esquerda de aproveitamento destes casos.

Apesar de, em comunicado, a família do ator de 39 anos referir que “o seu assassino já o havia ameaçado de morte três dias antes, proferindo vários insultos racistas”, a direção do Chega contrapôs que “o assassinato do ator Bruno Candé é uma tragédia, mas nada tem, segundo os dados conhecidos até ao momento, a ver com racismo”.

Numa nota enviada aos órgãos de comunicação social, o partido liderado pelo deputado André Ventura reiterou a ideia de que “a sociedade portuguesa não é racista” e considerou “que o aproveitamento político que a esquerda faz destes episódios é deplorável”.

Homem morto a tiro na rua era ator e já teria sido ameaçado e insultado. Associação denuncia crime com motivos raciais

“Portugal é o país menos racista da Europa, talvez do mundo, pelo que só nos resta transmitir à família e amigos de Bruno Candé sentimentos de solidariedade e conforto”, acrescentou a direção nacional do Chega, nesta curta nota, com três parágrafos.

Catarina Martins (BE) fala em “assassinato violento, racista”

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, repudiou este domingo a morte do ator Bruno Candé Marques, baleado no sábado em Moscavide, que qualificou como “um crime horrível, um assassinato violento, racista”.

Catarina Martins, que falava no encerramento do “Acampamento Online Liberdade 2020” do BE, defendeu que é bom que se perceba que “racismo não é opinião, é crime”, e que “quando se tira a humanidade a outros com o racismo, estas coisas acontecem”.

Numa intervenção transmitida em direto no Facebook, a coordenadora do BE considerou que, quando “não se considera as pessoas, não se olha nos olhos”, quando “se alguém acha que os outros não são iguais, então a violência acontece”.

Catarina Martins interrogou “como é possível o tom de pele determinar que alguém perca assim a vida num crime tão odioso”. E acrescnetou: “E, se ficaremos a pensar nesta família, nos amigos, nesta perda, nesta enorme dor, não deixaremos também de discutir essa frase que é muitas vezes dita, e o seu significado profundo: o racismo não é uma opinião, o racismo é crime e o crime acontece”, reforçou.

Eduardo Cabrita lembra que detenção do suspeito aconteceu “de imediato”

Este domingo, em resposta aos jornalistas, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, declarou que a Polícia de Segurança Pública (PSP) “deteve, de imediato, o alegado responsável” pelo crime de homicídio, acrescentando: “As autoridades judiciárias tomarão as suas decisões relativamente a um crime que vivamente repudiamos”.

A PSP informou no sábado, sem identificar a vítima, que um homem morreu após ter sido baleado em várias partes do corpo, por outro homem com cerca de 80 anos, na Avenida de Moscavide, em Loures, adiantando que o suspeito tinha sido detido e a arma de fogo apreendida. Em comunicado, a associação SOS Racismo reclamou que “justiça seja feita”, defendendo que “o caráter premeditado do assassinato não deixa margem para dúvidas de que se trata de um crime com motivações de ódio racial”.