Entre 1.000 e 10.000 peregrinos residentes na Arábia Saudita vão participar no “hajj” que se inicia esta quarta-feira, uma ínfima amostra dos 2,5 milhões de pessoas que acompanharam o ritual religioso do islão em 2019.

Os muçulmanos selecionados para a grande peregrinação (“hajj”) terminaram na terça-feira uma quarentena antes de iniciarem a cerimónia na cidade sagrada de Meca, onde foram tomadas diversas medidas para evitar a propagação da Covid-19.

Ao contrário do habitual e devido à Covid-19, os peregrinos não estão autorizados a tocar na Caaba este ano para limitar os riscos de infeção, enquanto foram deslocadas clínicas móveis e ambulâncias para enfrentar qualquer eventualidade, indicaram as autoridades.

Cerca de 70% dos peregrinos são residentes estrangeiros no reino, que registou 270.000 casos de infeção, uma das taxas mais elevadas do Médio Oriente.

Cada um recebeu um estojo com pedras para o ritual de lapidação de Satã, desinfetantes, máscaras, um tapete de oração e o “ihram”, a simples veste branca que todos os peregrinos devem usar no ritual, segundo o ministério do “hajj”. Os media estrangeiros também não receberam autorização para acompanhar a celebração deste ano, tendo o Governo saudita decretado o controlo do acesso à cidade mais sagrada do Islão.

O governo assegura que os residentes estrangeiros representam 70% dos peregrinos, mas não precisou o número de candidatos e de pessoas selecionadas.

Apesar da pandemia, diversos fiéis consideram que a peregrinação será mais segura este ano, longe das multidões colossais que provocam um pesadelo logístico e agravam os riscos de acidentes mortais.

Num país onde o turismo religioso garante anualmente 12 mil milhões de dólares (cerca de 10,3 mil milhões de euros), a celebração de um “hajj” reduzido arrisca colocar a Arábia Saudita perto do marasmo económico.

Devido ao recuo na economia provocado pela queda dos preços do petróleo e pela pandemia, o primeiro exportador de crude do mundo adotou medidas de austeridade, triplicando o IVA, suspendendo os apoios sociais e impondo outros cortes orçamentais.

As autoridades esperam recuperar as retribuições perdidas até à próxima “hajj” com um regresso da “omra”, ou pequena peregrinação, que foi suspensa em março.

A “omra” atrai mensalmente a Meca várias dezenas de milhares de fiéis e pode decorrer em qualquer momento do ano, ao contrário do “hajj” que apenas pode ser efetuado em datas específicas do calendário lunar islâmico.