Este fim de semana realizou-se em Wuhan, na China, uma festa de música eletrónica com milhares de pessoas. O novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, em dezembro, naquela cidade, onde 81.171 pessoas foram infetadas e 3.869 morreram.

A festa realizada no sábado, dia 15, no Maya Beach Water Park — que reabriu em junho e tem a capacidade limitada a 50% — gerou polémica nas redes sociais. Numa publicação partilhada pela agência de notícias AFP no Twitter, é possível perceber que as pessoas presentes na festa não cumpriam as normas de segurança que continuam a ser impostas para combater a Covid-19 em vários países, entre as quais o uso de máscara e o distanciamento físico.

“É assim que se provoca uma segunda ou terceira vaga da pandemia”, “Fizeram o mundo sofrer e agora estão a divertir-se” e “Alguém que me diga que estes vídeos foram filmados em 2019, não saio de casa deste março” são alguns dos comentários dos internautas indignados com a festa realizada na cidade que foi submetida a uma quarente rigorosa de 76 dias, entre janeiro e abril.

A China regista um total de 84.849 casos de coronavírus e 4.634 mortes desde o início da pandemia em dezembro. Na província de Hubei, cuja capital é Wuhan, não são registados novos casos de Covid-19 desde maio. A província tem tentado retomar a economia, oferecendo entrada gratuita em 400 pontos turísticos.