A principal adversária do ditador bielorrusso nas eleições presidenciais de 9 de agosto, Sviatlana Tsikhanouskaya, deu esta sexta-feira a sua primeira conferência de imprensa desde que, na sequência da repressão violenta de manifestantes da oposição, foi obrigada a exilar-se na Lituânia.

“Tenho de dizer de forma clara ao Presidente que é preciso uma mudança. Espero que o bom senso prevaleça, que as pessoas sejam ouvidas e que haja novas eleições”, disse Sviatlana Tsikhanouskaya esta sexta-feira, numa conferência de imprensa em Vilnius.

Logo no dia das eleições de 9 de agosto, Sviatlana Tsikhanouskaya, que apenas concorreu às eleições depois de o seu marido, o blogger Sergei Tsikhanouski, ter sido impedido de concorrer e posteriormente preso, foi a primeira candidata da oposição em 26 anos de poder de Lukashenko a dar três passos em simultâneo: não aceitar o resultado eleitoral, declarar-se como vencedora das eleições e exigir a transferência pacífica de poder para a sua campanha.

Cinco perguntas e respostas para entender o que se passa na Bielorrússia — e a razão do nervosismo de Lukashenko

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.