A descoberta de três casos de Covid-19 entre os delegados que participavam em Genebra nas discussões sobre a Constituição síria forçou a ONU a suspender a reunião, anunciou esta segunda-feira a organização, algumas horas depois do início do encontro.

Após se ter informado as autoridades suíças e a secção das Nações Unidos em Genebra, foram tomadas medidas imediatas de acordo com os protocolos, visando a redução dos riscos e o acompanhamento de qualquer pessoa que poderá ter estado em contacto próximo com os envolvidos”, indicou o gabinete do enviado especial da ONU para a Síria, num comunicado.

A terceira ronda de negociações sobre a Constituição síria tinha começado esta segunda-feira de manhã em Genebra, sob a égide das Nações Unidas, que esperava que as partes pudessem manter “discussões substantivas” durante a semana.

As negociações reúnem 45 pessoas em representação do governo de Damasco, da oposição e da sociedade civil e as delegações chegaram à sede da ONU em Genebra com máscara devido à pandemia do novo coronavírus.

Os negociadores chefe da delegação do governo sírio, Ahmad Kuzbari, e da oposição, Hadi Al-Bahra, acenaram ao entrar no edifício, mas não falaram aos jornalistas que os esperavam. O emissário da ONU para a Síria, Geir Pedersen, esteve durante o fim de semana com representantes das três partes envolvidas nas discussões.

Na sexta-feira, Pedersen tinha declarado aos media que as discussões em Genebra “não podem obviamente resolver o conflito sírio”, mas representam um “passo importante na direção certa”. As Nações Unidas esperam que o processo abra caminho a uma resolução política do conflito, que já causou mais de 380.000 mortos desde 2011.