Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Começou por ser um processo com oito arguidos, mas, nesta primeira sessão no Campus de Justiça, avançou apenas com dois, sentados lado a lado sob apertadas medidas de segurança (mesmo que um deles esteja em liberdade). O coletivo de juízes responsável por julgar o grupo de portugueses acusado de ter aderido a Estado Islâmico decidiu considerar os restantes seis arguidos contumazes e seguir com o processo em frente.

Cassimo Ture, o arguido que vive no Reino Unido e que trabalha nas limpezas, está em Portugal para o julgamento, mas disse, esta terça-feira, que só vai prestar declarações no final. Já Rómulo Costa disse que queria esclarecer tudo, com o seu advogado a anunciar que o arguido se limitou a ter conversas com os irmãos e que eles sim lutaram na Síria.

No entanto, os esclarecimentos de Rómulo parecem confusos, com o juiz a chamá-lo várias vezes à atenção para ser mais direto no que está a dizer. O arguido nega qualquer apoio, moral ou logístico, a qualquer grupo terrorista, lembrando que teve apenas conversas casuais. E quando um dos irmãos lhe descreve que participou numa batalha em que eram 40 contra 500, Rómulo diz que pensou ser uma “ficção”.

— Estou aqui para dizer toda a verdade, disse a certa altura Rómulo Costa

— Não interessa se está a mentir, mas, de acordo com o que está no processo, há coisas que têm lógica e que não têm lógica, diz o juiz.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O advogado, Lopes Guerreiro, lembra que as escutas que constam no processo e com as quais o coletivo está a confrontar o arguido têm sete anos, pelo que pode haver maior dificuldade em recordar-se das conversas que manteve com o irmão Edgar Costa, um outro arguido no processo cujo paradeiro é desconhecido e foi, por isso, declarado contumaz.

Além das escutas, o juiz confrontou o arguido com o material recolhido na sua casa, entre o qual várias letras de música em que se refere à Jihad. “Jihad significa desenvolvimento pessoal, não tem nada a ver com guerra santa”, justifica o arguido, começando por dizer que nada teve a ver com as letras, para depois admitir que interveio nalgumas delas. Para esse desenvolvimento pessoal, justifica também, é preciso passar por três fases: “a fase astral, a fase biológica e a fase física”, disse, dando uma ideia completamente contrária à que o Ministério Público teceu no despacho de acusação.

Numa outra conversa telefónica com o irmão, após o homicídio de um militar britânico ocorrido, dois dias antes, em Woolwtch, Londres, e que foi reivindicado por uma organização terrorista, Rómulo respondeu: “caiu e hão-de cair mais”. “Peço desculpa, foi um comentário imaturo e irresponsável”, disse numa justificação que não convenceu o juiz. Para depois justificar que é público que estes soldados andam a cometer crimes de violação “ao invés de garantirem a segurança das pessoas”.

O julgamento decorre no mesmo dia da segunda sessão de julgamento do alegado pirata informático, Rui Pinto — um processo que tem medidas de segurança ainda mais elevadas e que restringe o número de pessoas presente no tribunal. Por questões de segurança, o julgamento dos portugueses do Daesh só tem quatro pessoas na assistência, três dos quais jornalistas.

Portugueses no Daesh. Guia rápido para o julgamento que começa esta terça-feira