Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Aprendeu-se muito com o que tem estado a acontecer nos lares portugueses, mas não se pode garantir que o pior não volte. E, quanto a Reguengos de Monsaraz, defende a ministra da Saúde, é preciso apurar responsabilidades, sejam elas de quem forem. Num dia em que ficou a saber-se que continuam ativos 35 surtos em lares e em que foi anunciada uma nova linha telefónica destinada a estas instituições, Marta Temido aproveitou para elencar diversas dificuldades – deixando claro, quanto aos rastreios, que estes foram feitos “em várias zonas do país, muitas vezes com critérios que não foram totalmente uniformes”, com testes que não eram “totalmente sensíveis” e “muitas vezes com muita gente a aproveitar economicamente” esta situação de pandemia. A ministra rejeitou, no entanto, que tenha havido falta de prevenção.

“Planeámos, articulámos, procurámos soluções adaptativas e faremos a evolução que retiramos de todas estas lições”, garantiu Marta Temido aos deputados, numa audição conjunta com a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.