Mais uma vez, as coisas não começaram da melhor maneira para Miguel Oliveira. O piloto português teve tempos sofríveis nas duas primeiras sessões de treino do Grande Prémio da Catalunha e acabou esta sexta-feira como 17.º classificado, depois de ter caído novamente duas vezes. No fim, ficou a 1,239 segundos do piloto mais rápido do dia, o italiano Franco Morbidelli, da Yamaha.

“Foi um dia complicado aqui em Barcelona. Sabíamos de antemão que este traçado não tem um nível de aderência muito elevado, mas não esperávamos encontrar tantas dificuldades”, disse Miguel Oliveira aos meios da Tech3, acrescentando depois o “porquê” de ter caído porque “não houve nenhum tipo de aviso”. “Sentia-me bem e de repente perdia a frente”, disse o piloto português, que garantiu que a equipa ainda tentou minimizar a falta de aderência da mota na sessão da tarde mas as tentativas não foram “nada produtivas”.

“Ainda temos amanhã [sábado] para trabalhar e analisar os dados, de forma a fazer uma boa terceira sessão de treinos livres [que apura os dez mais rápidos diretamente para a Q2]. Como sempre, é esse o objetivo”, terminou Miguel Oliveira. O piloto natural de Almada apontou baterias ao dia seguinte e, como é costume, estava certo.

Já este sábado, na terceira sessão de treinos livres, o piloto português fez 12 voltas em quatro saídas e compensou os últimos lugares no início da sessão com uma série de voltas rápidas nos últimos minutos. Começou por subir para oitavo, ainda caiu para 10.º, subiu novamente a 9.º e mesmo na reta final conseguiu uma volta acima da média, galgando para o terceiro lugar — uma posição que garantiu desde logo a passagem direta à Q2, a ronda de qualificação onde se discute a pole-position e os restantes lugares da primeira metade da grelha de partida. O mais rápido, nesta altura, era Fabio Quartararo, novamente da Yamaha.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já na Q2, Miguel Oliveira voltou a cair, na curva 10, e não conseguiu melhor do que o 12.º lugar na grelha de partida, o último da segunda ronda de qualificação. As Yamaha confirmaram as boas indicações de todo o fim de semana e agarraram os dois primeiros lugares do grid, com Franco Morbidelli a agarrar a primeira pole-position da carreira, Fabio Quartararo a ficar em segundo e Valentino Rossi, que esta semana confirmou que vai correr mais um ano no Moto GP e pela Yamaha STR, a equipa satélite da marca, vai sair de terceiro.