O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) criticou esta quarta-feira a “operação de maquilhagem” da eleição indireta, na terça-feira, dos presidentes das comissões de coordenação e desenvolvimento regionais, uma “ilusão” para não cumprir a promessa de regionalização.

Este chamado processo de ‘democratização’, agora retomado pelo atual Governo, com o apoio do PSD, insere-se tão só numa estratégia de que, ao longo dos anos, sucessivos Governos se têm socorrido para iludir o incumprimento do que a Constituição da República Portuguesa consagra quanto à criação das Regiões Administrativas”, que o PEV continua a defender, lê-se num comunicado dos Verdes.

“Por mais voltas que se pretendam dar ou novas roupagens que lhes procurem vestir”, os Verdes afirmaram que “as CCDR não deixam de continuar a ser organismos da administração central, porque assim decorre da sua própria natureza jurídica”.

E “por mais operações de maquilhagem que se pretenda fazer”, o PEV sublinhou tratar-se de um processo de “desconcentração e não de descentralização”.

As eleições para a presidência das cinco CCDR confirmaram na terça-feira quatro candidatos únicos, à exceção do Alentejo, num modelo pouco consensual fora do espetro político do PS e PSD que mereceu críticas dos outros partidos.