Não foi a primeira vez desde o início da pandemia que visitou um hospital nem uma unidade Covid, fez questão de frisar Franck Vanderbroucke esta quarta-feira, na conferência de imprensa que deu depois de visitar o Hospital de MontLégia, nos arredores de Liège. Mas terá sido certamente a que mais o impressionou: “Aquilo que vi é muito doloroso. É muito chocante. Penso que as pessoas que trabalham aqui estão a fazer algo inacreditável”, disse o vice-primeiro ministro e ministro da Saúde belga, visivelmente emocionado, de voz embargada e a tentar conter as lágrimas.

O momento, que está a ser divulgado pelos meios de comunicação locais, aconteceu justamente no mesmo dia em que o primeiro-ministro do país anunciou novo confinamento parcial. Já a partir desta quinta-feira, a permanência em estabelecimentos comerciais passa a ter uma duração máxima de meia hora; bares e restaurantes só podem funcionar em regime de take-away e até às 22h; e os mercados de Natal e feiras da ladra foram cancelados, bem como todos os estabelecimentos pertencentes aos setores cultural, festivo, desportivo e recreativo.

Com 11,5 milhões de habitantes, a Bélgica é neste momento um dos países europeus mais afetados pela pandemia, com um rácio de 1.619 infetados por cada 100 mil habitantes — e, para já, o número de novos contágios continua a subir. Entre 18 e 24 de outubro foi registada uma média diária de 13.858 novos infetados e 60 mortos. Desde o início da pandemia, já morreram mais de 11 mil pessoas no país.

Nos hospitais, contabilizou esta quarta-feira o jornal Le Soir, o cenário não é mais animador, com a média diária de internamentos a aumentar 85% no mesmo intervalo de tempo — são agora 547 as pessoas que todos os dias são hospitalizadas. Neste momento, há 5.554 pessoas internadas com Covid-19, 911 em unidades de cuidados intensivos. O pico de internamentos, registado a 7 de abril, durante a primeira fase da pandemia — 5.715 — ainda não foi suplantado mas poderá sê-lo já esta quinta-feira, diz o jornal, apoiado nas previsões de um virologista, Steven Van Gucht.