O surto de Covid-19 num lar na Raposeira, no concelho de Leiria, que infetou todos os 23 utentes, dos quais cinco morreram, é considerado terminado no sábado, disse esta sexta-feira a Autoridade de Saúde.

Excluindo os óbitos, que lamentamos, os utentes que estão no lar terminam os 20 dias de isolamento no sábado. Regressarão, no contexto da instituição, à normalidade da sua vida diária no domingo”, afirmou à agência Lusa a delegada de saúde coordenadora da Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Litoral, Odete Mendes.

A responsável assinalou que, “com as comorbilidades associadas, a Covid-19 contribuiu para acelerar este desfecho” das cinco mortes. Segundo a médica, são “18 os utentes que estão na estrutura e uma pessoa que estava provisoriamente na instituição e que já teve alta para o domicílio”.

“Consideram-se os 20 dias de isolamento, de acordo com as normas da Direção-Geral da Saúde (DGS), por ser uma população mais vulnerável e mais fragilizada, habitualmente com a coexistência de outras comorbilidades, pelo que garantimos este período de maior segurança”, explicou Odete Mendes.

O surto neste lar foi noticiado em 30 de outubro, à data com 23 utentes e cinco funcionários infetados, sendo então considerado o caso de maior preocupação devido à dimensão.

Lar em Leiria: infetados todos os 23 utentes e cinco profissionais

Esta sexta-feira, Odete Mendes adiantou que, em relação aos nove profissionais infetados com Covid-19, alguns já regressaram ao trabalho ou retomam a atividade na segunda-feira, “com exceção de um que positivou mais tarde”.

“Também aqui o processo de isolamento é mais longo, considerando que são prestadores de cuidados a esta população específica”, precisou.

A delegada de saúde coordenadora acrescentou que “no sábado o surto está terminado e a instituição iniciará a vida dentro da normalidade, mantendo todos os cuidados e recomendações de acordo com as orientações da DGS”.

Odete Mendes salientou que “na intervenção a este lar estiveram a Unidade de Saúde Pública, o agrupamento de centros de saúde, com as equipas de avaliação médica e de enfermagem aos utentes de forma regular, a Segurança Social com as equipas de intervenção rápida, que completaram os recursos humanos do lar, a câmara municipal, a Proteção Civil e os bombeiros municipais”.

A delegada de saúde coordenadora frisou que, “no contexto atual da pandemia, e de acordo com os números que são preocupantes, a responsabilidade é institucional, mas também individual e coletiva da população”. Nesse sentido, salientou que “é de grande importância que cada um cumpra a sua quota-parte de responsabilidade, respeitando e cumprindo todas as orientações da DGS, assim como as recomendações dos serviços de saúde locais e de outras entidades”.

O concelho de Leiria regista, desde o início da pandemia, em março, 1.053 casos de Covid-19, mantendo-se 361 ativos, de acordo com o último boletim da Comissão Distrital de Proteção Civil de Leiria, divulgado às 9h58 desta sexta-feira. No mesmo período, recuperaram da doença 676 pessoas, havendo ainda 16 óbitos.