Se as eleições presidenciais fossem hoje, Marcelo Rebelo de Sousa (que ainda não anunciou a recandidatura) ganharia à primeira volta e Ana Gomes ficaria em segundo lugar. É o que diz a mais recente sondagem da Intercampus para o Correio da Manhã e Jornal de Negócios, que nota ainda uma tendência de crescimento de Marisa Matias e de André Ventura, que estreitam a distância face à candidatura da ex-eurodeputada socialista.

Na sondagem de novembro, Marcelo aparece com 56,6% dos votos, menos meio ponto percentual face ao barómetro de outubro, enquanto Ana Gomes aparece com 16,1%, menos 1,1 pontos percentuais do que os 17% que tinha registado em outubro.

Tanto André Ventura como Marisa Matias, pelo contrário, sobem nas intenções de voto, estreitando a sua distância em relação a Ana Gomes. Ventura surge com 10,5% dos votos (mais 2,3 pontos percentuais do que o barómetro de outubro), e a candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda dá um salto de 2,6 pontos percentuais, fixando-se em novembro nos 8,7% de intenções de voto.

Atrás surge o candidato do PCP João Ferreira, com 2,3% dos votos, e o candidato do Iniciativa Liberal Tiago Mayan Gonçalves, com 1,6% das intenções de voto.

Terça-feira vai ser dado o passo formal que faltava. Recandidatura de Marcelo à vista

A sondagem foi realizada entre 9 a 16 de novembro, já depois de a maioria de direita ter feito uma coligação nos Açores. Também questionados sobre isso, a grande maioria dos inquiridos mostra-se contra a solução encontrada de diálogo com o Chega com vista à viabilização de orçamentos e do Governo. Apenas 30% dos inquiridos concordam com o acordo de incidência parlamentar alcançado entre PSD e Chega nos Açores e apenas 21% defendem uma repetição desse tipo de acordo a nível nacional.

Entre os inquiridos, 66,2% mostraram-se contra um eventual acordo parlamentar entre o PSD de Rui Rio e o Chega de André Ventura, a nível nacional.

A sondagem foi também realizada já depois da Comissão Nacional do PS que decidiu pelo não-apoio oficial a nenhum dos candidatos, mas que deixou implícita a posição oficiosa da direção do partido de apoiar a recandidatura do atual Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa já deixou escapar que vai anunciar amanhã, dia 24 de novembro, último dia legal do prazo, que as eleições presidenciais serão a 24 de janeiro – o mesmo dia em que, há cinco anos, foi eleito pela primeira vez.

A convocação das eleições será feita na qualidade de PR e não de candidato. A recandidatura deverá ser anunciada nas primeiras semanas de dezembro.