O ano de 2020 ficou marcado pela dificuldade em fazer planos a longo prazo, em reunir a família e os amigos e em viajar à vontade. Mas também pôs à prova a nossa capacidade de improvisar, de fazer mais com menos e de refletir sobre o que é realmente importante. E nada como deixar esse legado para quem vem depois de nós, sobretudo se esses são os nossos filhos. Assim sendo, Joana Barrios pegou no novo FIAT 500 híbrido e foi à procura de lugares maravilhosos, próximos de casa, onde se pode passear e usufruir do ar livre, aprendendo um pouco mais sobre a nossa história e promovendo um contacto próximo com a natureza. Encontremos, cada um no seu concelho, lugares para usufruirmos de tempo em família. Há um sem número de atividades sustentáveis para fazer, ao ar livre e cumpridoras de todas as regras. Não vamos deixar as nossas crianças sem férias do Natal!

Qual o primeiro sítio a propor?

A vila de Sintra é sempre uma aposta segura. É sede do segundo concelho mais populoso de Portugal, logo a seguir a Lisboa, e a vila com mais habitantes. Ainda assim, oferece uma paisagem natural e cultural invejável, tendo sido classificada como Património Mundial da Unesco. Vale a pena apreciar a arquitetura romântica dos seus monumentos, como o Palácio Monserrate ou o Palácio da Pena. Mas o que mais encanta nesta vila é a aura de magia que têm os seus espaços verdes. Se ainda não explorou a estrada que leva ao Santuário da Peninha (ou Capela de Nossa Senhora da Penha), agora é a melhor altura. Como escreveu o poeta grego Constantino Kavafis — também ele romântico —, “A chegada ali é o teu destino. Mas não apresses em nada a tua viagem”. Quando atingir o topo, vai ser premiado com uma vista fantástica, mas o caminho no bosque, ladeado por enormes penedos, que parecem acompanhar-nos no percurso, e onde o musgo, suave e fofo, se assemelha a uma manta que não apetece largar, é um dos tesouros mais bem guardados desta região. Pode deixar o carro num pequeno parque de estacionamento bem identificado. O novo FIAT 500 híbrido, de cor Verde Gota de Orvalho, mistura-se com a paisagem e parece tornar-se invisível. Agora só falta munir-se de termos com uma bebida quente e de um bom agasalho. Divirta-se.

Outros destinos, de norte a sul do país

Mostrar Esconder

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Norte

Jardim do Palácio de Cristal (Porto)

São oito hectares de um jardim romântico com uma vista imperdível para o rio Douro e para o mar. Projetado no séc. XIX, envolvia o Palácio de Cristal, entretanto substituído pelo Pavilhão Rosa Mota. Este conjunto fabuloso integra ainda a Biblioteca, um restaurante e uma esplanada com vista para o lago.

Parque Natural de Montesinho (Bragança e Vinhais)

Fica no alto nordeste transmontano, nos concelhos de Bragança e Vinhais. Nas aldeias, pode encontrar as casas tradicionais com paredes de xisto ou granito, numa harmonia perfeita com a paisagem. Por a altura do Natal ou dos Reis, são realizadas as “Festas dos Rapazes”, em que a música das gaitas de foles se destaca.

Centro

Jardim do Paço Episcopal, Castelo Branco

Um jardim que nos leva até ao séc. XVIII, quando foi encomendado pelo Bispo da Guarda. Aqui, a história, a religião e a natureza estão entrelaçadas num percurso que nos leva por quatro grandes espaços: a Entrada, o Patamar do Buxo, o Jardim Alagado e o Plano Superior. Dá para conhecer a História de Portugal e brincar às escondidas no labirinto feito de buxos e estátuas de temas diversos.

Reserva Natural do Paul de Arzila, Coimbra

A reserva fica a pouco mais de dez quilómetros de Coimbra, e abrange uma área de 535 hectares. Disponível para visitas o ano inteiro, permite a observação de aves como a Garça-vermelha, o pato-real, a águia-de-asa-redonda, a cegonha ou a garça-branca, que lhe valeram a classificação como Reserva Biogenética do Conselho da Europa. No Centro de Interpretação, pode visitar a exposição sobre a reserva, mas também pedir dicas para o seu passeio em família.

Sul

Percurso Pedonal Póvoa de Sta. Iria – Alverca do Ribatejo

Explore este percurso ribeirinho, com cerca de 17,5 km, pedonal e ciclável, feito em passadiços e terra batida. A vantagem é que não só pode observar as espécies indígenas da flora e da fauna, como liga os diferentes parques urbanos do concelho de Vila Franca de Xira — nomeadamente o Parque Linear Ribeirinho Estuário do Tejo, premiado com uma Menção Honrosa na categoria Cidades Sustentáveis Green Projects Awards 2014, o primeiro prémio na categoria Landscape and Public Spaces nos Archmarathon Awards (2015) e igualmente o primeiro prémio Wan Landscape Award (2016).

Parque Aventura, Vila Real de Santo António

Explorar o Algarve durante o inverno permite conhecer esta região de outra forma. O arborismo promovido pelo Parque Aventura, em Vila Real de Santo António é uma atividade que pode ajudar à comunhão com a natureza, mas também à construção da autoestima dos mais novos. Consoante o nível — Curioso, Aventureiro ou Destemido —, as crianças dos 4 aos 12 anos podem enfrentar diversos desafios em altura, passando por pontes e redes, e descendo por slides gigantes. Uma excelente atividade para realizar — e celebrar — em família!

Da paisagem aos animais

Os tempos não estão para falta de criatividade na hora de escolher um destino. Já apreciou o silêncio da serra de Sintra? Agora, é altura de descer até aos Olivais, em Lisboa, e visitar a Quinta Pedagógica. Ainda estamos no campo — embora no meio da cidade —, mas o silêncio é uma raridade. Os galos e as galinhas, as vacas, os porcos, os patos, os cisnes e até cães (que se podem adotar) juntam a sua conversa à nossa e fazem a festa. Mais silenciosos, mas majestosos e muito apreciadores de festas, estão igualmente presentes os cavalos. A Quinta Pedagógica dos Olivais existe há mais de duas décadas e permite que as famílias possam ter contacto com uma realidade que é desconhecida para muitos. O acesso é gratuito e mesmo durante a pandemia, tem aberto as suas portas — mediante as indicações da DGS e cumprindo todas as regras de segurança. É um excelente sítio para relaxar e aprender um pouco mais sobre animais que estão tão presentes na nossa vida, mas dos quais sabemos muito pouco.

E se falamos de bichos, acrescentemos os “carpinteiros”. Sabemos que não é fácil manter a atenção dos mais pequenos durante muito tempo e que a sua vontade de descobrir coisas novas é inesgotável. A sorte é que, mesmo ao lado da Quinta, está o Parque do Vale do Silêncio. Quem nunca visitou vai encantar-se com o desenho de um jardim que parece ter um horizonte infinito, muito arborizado, ladeado por um circuito de manutenção, uma via ciclável, parque de merendas e não só. Pode ainda encontrar uma das maiores paredes artificiais de escalada do país (da iniciação à competição) — um projeto vencedor no âmbito do Orçamento Participativo de Lisboa. Outro tesourinho que não se pode perder.

E para as crianças que não tiram os olhos do ecrã?

O painel de instrumentos digital de sete polegadas, combinado com um novo rádio Uconnect de ecrã tátil do novo FIAT 500 não convence durante muito mais tempo os aficionados pelas novas tecnologias? Então, siga para o Parque Central da Amadora. Ali, há um jogo interativo que parece uma consola gigante e que permite comparar a nossa pontuação com a de jogadores de outros países: a tecnologia e o exercício físico lado a lado! No entanto, deve confirmar com o parque se este equipamento está disponível, dadas as alterações que o período de pandemia tem provocado. É claro que há mais coisas para ver e fazer. Como um lago com patos e com pequenos barcos — que parecem cisnes — para se passear, um circuito desportivo e três parques infantis. A diversidade de atividades é grande. É só escolher. Podemos ainda encontrar uma instalação que permite educar para a sustentabilidade: um cubo de grandes dimensões com a identificação dos Objetivos para um Desenvolvimento Sustentável — segundo metas estabelecidas pela Assembleia Geral das Nações Unidas —, como a igualdade género, a necessidade de água potável e de saneamento, ou a urgência em reduzir as desigualdades. Pode aproveitar para acrescentar que todos temos de fazer a nossa parte e que o novo FIAT 500 híbrido é sinal destes novos tempos: tem os bancos revestidos com tecido SEAQUAL®, uma inovadora fibra elaborada a partir de plástico recolhido dos oceanos e que, ao ser um modelo híbrido, procura reduzir as suas emissões.

Feita a reflexão, é altura de voltar a entrar no carro e dar um passeio pela cidade. A verdade é que, nem sempre temos possibilidade de explorar o sítio onde vivemos. Mas o FIAT 500 está habituado a isso e muito mais. Deixe que ele o guie.

Saiba mais em
https://observador.pt/seccao/observador-lab/na-melhor-volta-da-vida/