Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Miguel José Lopes Romão é o homem “discretíssimo” que se tornou o protagonista do caso das informações falsas sobre o magistrado do Ministério Público que representará Portugal na Procuradoria Europeia. Esta segunda-feira apresentou a demissão como diretor-geral da Política de Justiça e a ministra Francisca van Dunem aceitou a sua demissão, “tendo em conta os últimos acontecimentos”.

Sempre ligado ao Direito e com uma colaboração sempre muito próxima ao Partido Socialista, quem se cruzou com ele ao longo da sua vida profissional classifica-o como “cavalheiro”, “super-educado” e com “um grande sentido de honradez”. Terá sido precisamente o seu sentido de honra que o terá levado a demitir-se “em cumprimento da lógica republicana de que os erros administrativos que afetem a reputação e dignidade do serviço público devem ser assumidos pelo dirigente dos serviços”, como se lê no comunicado que fez questão de publicar no site da Direção-Geral da Política de Justiça após a reunião com a ministra da Justiça.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.