437kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Amigas, amigas, eleições à parte. Ana Gomes demarca-se de Marisa Matias

Este artigo tem mais de 1 ano

Em dia de debate, muitas entrevistas e conversas online, Ana Gomes fez o que nunca tinha feito: demarcou-se da "amiga" Marisa Matias. Campanha de Marisa é apenas para cumprir calendário do BE, acusa.

i

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Amigas, amigas, eleições à parte. Ana Gomes ainda não tinha pisado os calcanhares à amiga Marisa Matias, com quem partilhou o Parlamento Europeu durante 10 anos, e com quem partilha afinidades políticas, mas hoje foi o dia. A pergunta surgiu, inocente, de duas jovens do Instituto de Estudos Políticos e da Associação de Estudantes de Direito da Universidade Católica, num evento transmitido em direto no Instagram: há quem diga que há um “apoio mútuo” e uma “certa condescendência” entre as duas candidatas, quais são as diferenças entre ambas?

“Eu sou amiga da Marisa, não tenho problema nenhum de o dizer. Servi com ela 10 anos no Parlamento Europeu e há uma grande simpatia e uma grande convergência em muitas matérias, mas também há divergências”, começou por dizer. E cá vai disto. Há uma “profunda discordância” que Ana Gomes identifica à partida: Marisa Matias está a desvalorizar a campanha eleitoral, e a sua própria posição, quando assume, como fez no primeiro frente a frente com Marcelo Rebelo de Sousa, que ele era provavelmente o candidato vencedor. “Então para que é que ela está a concorrer, se dá por adquirido que o professor Marcelo poderá ser eleito?”, atirou Ana Gomes, criticando o facto de a campanha de Marisa ser uma “campanha de demarcação do terreno partidário“, do Bloco de Esquerda, por contraponto com a sua campanha que é “séria e independente, sem contar à partida com o apoio” do seu próprio partido.

O debate onde Marisa reconheceu a vitória de Marcelo

Diz Ana Gomes que, ao contrário de Marisa que está apenas a cumprir calendário para não deixar o Bloco descalço, a sua campanha é “uma campanha séria, como independente, onde me apresento como alternativa ao atual Presidente da República que está também à procura de um segundo mandato”. Antes, tinha referido outra divergência no plano europeu: Ana Gomes é a favor de uma Europa assente nos pilares da defesa e da segurança, e Marisa não. De resto, há “muita simpatia” e “convergência em muitas matérias”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Prova disso é o caso do “batom vermelho”. “Quando, ainda há dias, Marisa Matias foi vítima de um ataque ignóbil e machista não tive a mais pequena dúvida de mostrar o meu sentimento de solidariedade para com ela e com todas as mulheres insultadas por essas tiradas ignóbeis”, disse.

Certo é que, de manhã, no debate de três rádios, Ana Gomes já tinha ensaiado uma pequena tirada contra a candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda, num gesto inédito desde que a campanha arrancou. Até então o pacto tinha sido de não agressão à esquerda, sendo que Ana Gomes se mantém focada em fazer de Marcelo Rebelo de Sousa o seu “único” adversários, apesar de também (ou sobretudo) precisar de ir buscar votos ao terreno de Marisa Matias.

No debate, apesar de Marcelo, desta vez presente, e Ventura, desta vez ausente, terem sido o centro dos ataques de todos os restantes candidatos, Marisa Matias e João Ferreira foram os que mais quiseram entalar a candidata socialista no tema que mais lhe é caro: a proteção dos denunciantes nos casos de corrupção. Mas Ana Gomes defendeu-se logo fechando a porta à “delação premiada” e lembrando que não é a única a achar que os denunciantes devem poder colaborar com a justiça. “Tu também apoias esses denunciantes, Marisa”, disse, cortando ali a tentativa de Marisa Matias de cavalgar a onda iniciada em João Ferreira.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

O dia foi de debates — sem visitas no terreno nem viagens pelo país. Depois do debate, Ana Gomes foi para a sede que por estes dias montou no Hotel da Estrela, em Lisboa, e deu quatro entrevistas de seguida: uma a uma rádio francesa, uma à RTP, outra a uma revista e outra ainda numa roda de imprensa com vários órgãos de comunicação internacionais. Seguiu-se a habitual conferência online transmitida na sua página de Facebook, desta vez com o ex-ministro da Justiça de António Guterres, o socialista Vera Jardim, e terminou com uma conversa mais ligeira a responder às perguntas das jovens da Católica. Ambas mulheres. Como Ana e Marisa que, no entanto, têm território mútuo para conquistar.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.