O responsável pela delegação do Norte do INEM apresentou a demissão depois de ter sido noticiado que o instituto tinha vacinado contra a Covid-19 funcionários de uma pastelaria no Porto, confirmou à Lusa fonte do instituto. O conselho diretivo do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) “aceitou o pedido”.

Segundo noticiou este sábado o Correio da Manhã, a delegação regional do Norte do INEM incluiu os proprietários e funcionários de uma pastelaria do Porto no grupo de profissionais que foi vacinado na primeira fase do plano de vacinação.

Em declarações esta tarde aos jornalistas, António Rui Barbosa, o médico responsável pela delegação, explicou que só tinha duas opções: vacinar cidadãos não prioritários ou “deitar ao lixo” as 11 doses da vacina.

“Batotas” na vacinação são imorais? Só para quem votou em André Ventura, diz Francisco Ramos

De acordo com o responsável, que admite ter tomado pessoalmente a decisão de vacinar proprietário e funcionários de uma pastelaria vizinha do edifício do INEM no Porto, a ordem foi dada porque o processo já estava “limitado pelo tempo” e não restavam naquela delegação do instituto quaisquer funcionários por vacinar.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Eu sou médico, tenho um código deontológico, tenho princípios morais, éticos, que tenho de cumprir, e naturalmente a minha decisão não poderia ser outra a não ser dar a indicação para administrar a 11 cidadãos que estivessem em proximidade para o fazer”, assegurou António Rui Barbosa.

“O facto de serem estes obedeceu única e simplesmente ao princípio de segurança, de proximidade e disponibilidade das pessoas, portanto não foi indicado nominalmente ninguém”, prosseguiu, garantindo que apenas deu indicação aos funcionários do INEM para irem até à porta do edifício procurar 11 voluntários para receberem as doses em excesso.

No entanto, segundo avançou entretanto a Visão, o proprietário e os dez funcionários da pastelaria São Jorge não foram os únicos a receber a vacina contra a Covid-19. Júlio Magalhães, dono do Transturística, um restaurante nas imediações, especializado em francesinhas, terá sido contactado pelo INEM no início de janeiro, via telefone, para saber se teria disponibilidade e vontade de tomar a vacina da Pfizer. “É lá que muitos de nós vamos comer todos os dias há muito tempo”, disse à revista um dos técnicos envolvidos no processo de vacinação do instituto.

Depois de ter respondido afirmativamente, Júlio Magalhães terá recebido a primeira dose da vacina contra a Covid-19 na primeira semana de janeiro. Esta sexta-feira, dia 29, recebeu a segunda, acrescenta ainda a Visão.

Na quinta-feira, uma denúncia da Associação Nacional de Emergência e Proteção Civil (APROSOC) de que o instituto teria incluído na vacinação contra a Covid-19 profissionais não prioritários fez com que INEM viesse negar “todas e quaisquer acusações de favorecimento pessoal” no seu processo de vacinação.

Na altura, em comunicado, o instituto explicou que “solicitou apenas vacinas para os profissionais prioritários, tendo recebido as 1.174 doses de vacina anti-covid-19 Comirnaty® (Pfizer-BioNTech) solicitadas, que foram administradas a todos os profissionais prioritários que manifestaram interesse em ser vacinados”.

“Iniciado o processo de vacinação, foram identificados profissionais prioritários que não preenchiam os critérios para poderem receber a primeira dose da vacina, de acordo com as indicações de segurança do fabricante (Pfizer), nomeadamente por apresentarem contraindicações, com diagnóstico ou presença de sintomas indicadores de Covid-19, ou que tinham estado doentes com Covid-19 há menos de 90 dias”, referia a nota.

Na explicação, o INEM acrescentava ainda: “Considerando o tempo reduzido para administração da vacina, que após a descongelação deve ser administrada no prazo máximo de 120 horas, bem como as recomendações da Agência Europeia do Medicamento de que qualquer vacina não utilizada deveria ser descartada após a diluição, acrescido do facto de ser possível extrair seis doses por frasco, e não apenas as cinco doses inicialmente estipuladas (de acordo com as indicações do INFARMED), foi possível administrar as doses sobrantes aos profissionais do INEM que dão suporte à atividade de Emergência Médica, para evitar o desperdício destas”.

“Desta forma, para além das 1.174 vacinas solicitadas, foi possível administrar mais 92”, acrescentou.

Na mesma resposta, o INEM disse ainda que “os prazos estipulados para administração das vacinas após descongelação e diluição, bem como a logística de todo este processo de vacinação, nomeadamente a exigência de condições de assepsia na sua preparação, não permitiriam a administração destas doses sobrantes a pessoas externas, e em ambientes externos ao INEM”.