O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou esta sexta-feira que “não é hora de nenhum país abrandar as medidas” de controlo da pandemia de Covid-19, apesar da redução global de infeções e mortes.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, que falava na videoconferência de imprensa regular da OMS sobre a Covid-19, a partir da sede da organização, em Genebra, na Suíça, realçou a diminuição do número de infeções pela quarta semana consecutiva e de mortes pela segunda semana consecutiva, assinalando que os países estão a aplicar “medidas mais restritivas”.

Contudo, apesar das estatísticas que considerou encorajadoras, disse que “não é hora de nenhum país abrandar as medidas”. “A complacência é tão perigosa quanto o vírus”, acentuou.

Covid-19. OMS diz que continuam em aberto todas as hipóteses sobre origem do vírus

O dirigente da OMS renovou o apelo para a partilha de tecnologia para acelerar a produção de vacinas contra a Covid-19 e distribuí-las de forma equitativa. “Nunca na história as vacinas foram desenvolvidas em menos de um ano após o aparecimento de um vírus”, sublinhou Tedros Adhanom Ghebreyesus.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A pandemia da Covid-19 provocou, pelo menos, 2,3 milhões de mortos no mundo, resultantes de mais de 107,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.