A Federação Nacional da Educação (FNE) defendeu esta segunda-feira que também os professores e funcionários do ensino superior sejam incluídos na vacinação contra a Covid-19, à semelhança dos outros níveis de ensino.

Os profissionais do ensino, do pré-escolar e 1.º ciclo, vão começar a ser vacinados no próximo fim de semana, e a vacina contra a Covid-19 vai chegar aos outros níveis de ensino à medida que forem desconfinando, mas o plano não inclui o superior, merecendo por isso a critica da FNE.

Em comunicado, os representantes sindicais dos docentes e não docentes escrevem que o Governo deve garantir “que nenhum setor do ensino fique excluído do processo”.

Só com a vacinação de docentes e não docentes de todos os graus de ensino se pode garantir o necessário clima de segurança e confiança no regresso ao ensino presencial”, sublinha a estrutura sindical.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A decisão, acrescenta a FNE, deve ser “o mais breve possível“, já que a reabertura das universidades e politécnicos está prevista para 19 de abril.

Em 10 de abril, a Direção-Geral da Saúde incluiu nos grupos prioritários da fase 1 para a vacina contra a Covid-19 os professores e o pessoal não docente, do setor público e privado, e a vacinação dos profissionais do pré-escolar e 1.º ciclo deveria ter arrancado no fim de semana passado.

No entanto, a suspensão da administração da vacina da AstraZeneca ditou o adiamento da vacinação, que vai começar a partir de sábado, com cerca de 80 mil pessoas vacinadas nesse fim de semana.

O processo de vacinação será gradual e irá prolongar-se até ao final de abril. Segundo o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, que está a coordenar a ‘task-force’ para o plano de vacinação, só depois do pré-escolar e 1.º ciclo chegará a vez dos 2.º e 3.º ciclos e do secundário.