Pelo menos oito pessoas morreram na sequência de um tiroteio, na noite de quinta-feira, num armazém da FedEx na cidade de Indianápolis, capital do estado norte-americano de Indiana, garantiu a polícia à imprensa norte-americana esta manhã. O incidente aconteceu após as 23h00 (hora local) e fez ainda sete feridos, segundo a BBC. O atirador, segundo a BBC, era um ex-funcionário da empresa: Brandon Hole, de 19 anos, que trabalhou pela última vez na FedEx em 2020.

O homem “saiu do carro e rapidamente começou a atirar do lado de fora da instalação”, conta à CNN o subchefe da polícia de Indianápolis, Craig McCartt. As autoridades policiais ainda não avançaram qual terá sido o motivo do atirador.

A polícia chegou a entrar em contacto com o autor dos disparos, que tirou a sua própria vida no local, e garantiu que já não existe perigo para a comunidade. As pessoas feridas foram encaminhadas para hospitais da área. Estradas próximas do local chegaram a estar cortadas ao trânsito.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A porta-voz do departamento policial pediu às pessoas que ainda não conseguiram entrar em contacto com familiares que trabalham na FedEx que se reunissem num Holiday Inn Express não muito longe do armazém onde tudo se passou. O The New York Times explica que os funcionários da FedEx não têm permissão para usar os respetivos telefones no armazém.

Um jornalista da WRTV, uma estação de televisão de Indianápolis, partilhou uma entrevista no Twitter na qual um homem afirma ter estado no local quando o tiroteio começou, tendo visto um corpo no chão. A outra estação local, um funcionário do armazém afirma ter ouvido cerca de 10 tiros.

Um porta-voz da FedEx disse estar par do “trágico tiroteio” que aconteceu no estabelecimento da marca perto do aeroporto de Indianápolis e que a segurança é a “maior prioridade”. “Os nossos pensamentos estão com todos aqueles que foram afetados. Estamos a trabalhar para reunir mais informação e estamos a cooperar com a investigação das autoridades.”

[Artigo atualizado às 23h58 de 16 de abril com a informação de que o atirador era um ex-funcionário da empresa]