Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Jeep já abriu as encomendas para o novo Wrangler 4xe e prepara-se agora para iniciar o período de entregas a clientes em Junho. O modelo em causa, que mantém intactas todas as características que lhe permitem assumir-se como o mais radical dos 4×4, concilia um motor de combustão com duas unidades eléctricas, solução que lhe permite reduzir consumos e emissões, enquanto assegura a capacidade de percorrer uma distância razoável em modo 100% eléctrico, o que para muitos condutores permite igualmente reduzir os custos de utilização, poupando a carteira.

Ainda antes de começar a desenvolver a versão híbrida plug-in (PHEV) do Wrangler, a Jeep estava apostada em manter intocável a capacidade do mais popular dos seus jipes em lidar com lama, pedregulhos, descidas e subidas acentuadas, suportando sem grandes problemas as pancadas e maus-tratos inerentes a incursões por zonas de todo-o-terreno mais radicais. Para isso, o modelo manteve os seus eixos rígidos à frente e atrás, a única solução que assegura um grande cruzamento de eixos para lidar com a passagem de valas cruzadas, além da possibilidade de desligar a barra estabilizadora electronicamente, para reforçar ainda mais esta aptidão.

Para garantir a tracção mesmo nos casos mais difíceis, o Wrangler disponibiliza um sistema de tracção integral seleccionável (que pode ser do tipo Selec-Trac ou Rock-Trac), o que lhe permite rodar apenas com tracção atrás em asfalto, para reduzir as perdas mecânicas e, com elas, o consumo. Os diferenciais à frente e atrás têm bloqueio eléctrico Tru-Lok, com o traseiro a recorrer ainda a um autoblocante Trac-Lok, assegurando assim que o Wrangler consegue avançar mesmo se apenas uma roda tiver aderência.

Bom fora de estrada, mas melhor ainda em cidade

Depois de garantir a capacidade de avançar mesmo através dos terrenos mais inóspitos, a Jeep concentrou-se em assegurar que o Wrangler 4xe é igualmente surpreendente em estrada, especialmente em cidade. O motor principal é o 2.0 Turbo com quatro cilindros em linha que, recorrendo a injecção directa, fornece 272 cv, com um binário de 400 Nm completamente estável entre as 3000 e as 4000 rpm. A este motor a gasolina está associada uma unidade eléctrica com 145 cv e 245 Nm, o que eleva a potência máxima para 380 cv, enquanto o binário, ou seja, a força, atinge uns impressionantes 637 Nm desde regimes muitos baixos. Existe mais um motor eléctrico, com 63 cv e 53 Nm, que serve sobretudo para gerar electricidade e desempenhar a tarefa de motor de arranque.

16 fotos

A grande novidade do Wrangler 4xe consiste na sua capacidade de percorrer 50 km em modo 100% eléctrico, em meio urbano (44 km em ciclo misto), segundo a norma WLTP, o que permitirá a muitos dos seus clientes circularem consumindo apenas energia eléctrica durante a semana, deixando o motor a gasolina para os passeios de fim-de-semana. A autonomia eléctrica deve-se à bateria com uma capacidade de 17,3 kWh, que depois se pode recarregar em 3 horas se ligada a uma wallbox ou carregador AC, com uma potência de até 7,2 kW.

Para viajar, o 4xe recorre aos 380 cv da sua mecânica, que faz passar por uma caixa automática com oito velocidades e uma caixa de transferências com redutoras, o que garante uma maior desmultiplicação para circular em estrada e menor para escalar obstáculos. Isto habilita o Wrangler PHEV a atingir uma velocidade máxima de 177 km/h, bem como ir de 0-100 km/h em apenas 6,4 segundos, um valor respeitável para um jipe com um peso de quase 2300 kg, estando homologado com um consumo médio de 3,5 litros (em WLTP), a que correspondem 79g/km de CO2.

Chega em Junho com três modos de condução

O Wrangler 4xe pode circular em três modos de condução, sendo o Hybrid o mais natural, em que o veículo decide qual a melhor solução, dependendo da pressa revelada pelo condutor, do estado de carga da bateria e da velocidade e pressão no acelerador. O segundo modo, o Electric, faz o 4xe deslocar-se confiando apenas no motor eléctrico principal, além de arrancar sem despertar o motor de combustão. Resta o eSave, destinado a manter ou a recarregar a bateria com recurso ao motor a gasolina, para ser posteriormente utilizada, por exemplo, para circular em cidade.

O Wrangler 4xe está disponível nas versões Sahara e Rubicon, este último o indicado para aventuras mais ousadas em fora de estrada. Os preços para Portugal ainda não foram anunciados, mas no site da Jeep já é possível encontrar no configurador o Wrangler 4xe Sahara a ser proposto por 74.800€, enquanto o Wrangler 4xe Rubicon implica um investimento de 75.800€. A versão mais cara do Wrangler PHEV é a 80th Anniversary, que é proposta por 78.100€ devido ao seu equipamento mais completo.