O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, defendeu esta quinta-feira o presidente da câmara municipal de Lisboa, o também socialista Fernando Medina, a propósito da controvérsia em torno da partilha de dados pessoais de ativistas anti-Putin com a embaixada da Rússia em Lisboa.

“Ninguém tem dúvidas da adesão incondicional de Fernando Medina aos valores da liberdade e da democracia”, escreveu Pedro Nuno Santos na sua página na rede social Facebook. “Façamos todos o mesmo que ele fez: reconhecer o erro, perceber porque aconteceu, aprender e corrigir para que não volte a acontecer.

É a primeira reação de peso a partir do Partido Socialista à polémica que marca a atualidade política nacional, depois de ao longo desta quinta-feira todos os partidos — exceto António Costa e o PS — terem tecido duríssimas críticas a Fernando Medina, alguns exigindo a sua demissão.

O caso, noticiado na quarta-feira pelo Observador e pelo Expresso, remonta a janeiro deste ano, quando três cidadãos russos (dois deles também com nacionalidade portuguesa) organizaram uma manifestação em frente à embaixada russa em Lisboa pedindo a libertação do ativista Alexei Navalny, detido em 17 de janeiro depois de aterrar em Moscovo.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.