Paulo Silva, até agora presidente da distrital do Porto da Aliança, fundador e membro do senado, deixou o partido fundado por Pedro Santana Lopes para se juntar ao movimento independente “Porto, o Nosso Movimento” e encabeçar a lista à junta de freguesia de Paranhos, no Porto. Bairrista, amante de ténis e da mentalidade do desporto, dispensa as “guerras na política” e garante querer ser uma “boa pessoa” dentro deste mundo.

O fundador do partido confirmou ao Observador que anunciou a desfiliação e consequente demissão do cargo de liderança na distrital do Porto ao presidente da Aliança “em tempo útil” e informou as pessoas com quem trabalhava diretamente. Paulo Bento confirmou que Paulo Silva lhe comunicou a decisão e revelou que o fez no sábado passado.

Aos 52 anos, saiu do único partido no qual tinha sido filiado, o Aliança — entrou a convite de Pedro Santana Lopes —, para voltar a ser independente e abraçar o convite de Rui Moreira, que o deixou “lisonjeado”. Ao Observador, diz que o fez na “convicção” de que pode ajudar a freguesia de Paranhos, que conta com mais de 41 mil eleitores. Com o social-democrata Alberto Machado a cumprir o seu terceiro e último mandato, Paulo Silva vai ter como adversário Miguel Seabra, que pretende dar ao PSD a possibilidade de manter a liderança da junta de freguesia.

Fonte do movimento independente de Rui Moreira realça que Paulo Silva foi a primeira escolha para a junta de freguesia de Paranhos, por ser “uma figura que já era conhecida em Paranhos pelo trabalho que desenvolveu na comunidade”, tanto no desporto, em que é diretor técnico do Estrela e Vigorosa Sport, como enquanto presidente da Associação de Moradores do Bairro do Amial, e por ser “uma pessoa ativa na comunidade”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.