Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Não está prevista nenhuma remodelação” do Governo mesmo perante o desgaste dos seus ministros à conta de um ano e meio de pandemia, garantiu António Costa ao Público, numa entrevista que é apenas publicada na íntegra no domingo. O primeiro-ministro afirmou que todos os ministros têm cumprido e defendeu que a continuidade das políticas e das reformas depende da estabilidade política e da longevidade dos titulares das diferentes pastas governativas.

Espero regressar à atividade de professor até 2026, diz Santos Silva

Referindo-se a Augusto Santos Silva, a propósito da capa do Expresso, onde o ministro dos Negócios Estrangeiros afirma esperar regressar à atividade de professor até 2026, Costa assegura que o ministro do Estado e dos Negócios Estrangeiros tem muito tempo para continuar no Governo, podendo regressar às salas de aula ainda antes da reforma, comentando, no entanto, que a declaração de Santos Silva “demonstra que mesmo o mais frio racionalista tem sempre um momento de ingenuidade quando fala com os jornalistas”. Em entrevista à TSF, Augusto Santos Silva desmentiu que tivesse pedido a Costa para sair.

Sobre planos futuros, com o tema dos cargos europeus em cima da mesa, Costa diz que nunca faz planos ou estabelece metas. “As coisas acontecem quando têm de acontecer”, afirmou, garantindo que não anda “à procura de emprego”. “Gosta muito” do atual, de primeiro-ministro, embora admitindo que lhe foi “oferecida a oportunidade de assumir um cargo europeu” em 2019 — à data, “não havia condições”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR