A ministra da Saúde Marta Temido garantiu esta quarta-feira, à saída da assinatura de um protocolo com o setor social, que “não há contratempo no plano de vacinação”, depois de a task force ter assumido haver falta de vacinas para responder aos autoagendamentos, que já esgotaram as vagas em alguns distritos do país. A ministra disse que o “constrangimento será ultrapassado com brevidade” e que Portugal deverá receber nos próximos dias vacinas da Pfizer cedidas por outros países.

Esta terça-feira, o vice-almirante Gouveia e Melo, coordenador da task force da vacinação, fez saber que alguns concelhos do país já não teriam vagas para autoagendamento, devido à elevada procura face à falta de vacinas para lhe responder — tal situação acabou por obrigar ao adiamento da abertura do autoagendamento para pessoas a partir dos 20 anos.

Autoagendamento de vacina esgotado em vários distritos. Para 20 anos só abre na próxima semana

“Estamos sempre dependentes daquilo que é o stock de vacinação, e nos próximos dias será uma circunstância que irá ficar ultrapassada”, garantiu a ministra, dizendo que os planos de entrega estão “relativamente estabilizados” e as entregas costumam acontecer ao final de cada semana. “É apenas um atraso na abertura do autoagendamento para uma determinada faixa etária”, desvalorizou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Marta Temido entende que, por “questões de gestão daquilo que são as próprias filas de espera e do número de inscritos”, esse atraso na abertura do portal não representa “nada de extraordinário”, estando a vacinação a decorrer como estava programado. A ministra assegurou que o Governo está a trabalhar para “tentar agilizar a entrega de mais quantidades de vacinas” e fez saber que está em cima da mesa a possibilidade de Portugal receber nos próximos dias uma entrega antecipada de doses da Pfizer através de cedências de outros países que seguem com campanhas de vacinação noutras fases.

Temido afirmou ainda que o Governo tem a expectativa de, na segunda quinzena de agosto, ser possível “atingir uma nova marca no calendário”, uma vez que a campanha está a decorrer a um “ritmo encorajador” com mais de 100 mil inoculações diárias.

Comissão técnica aconselha DGS a que só sejam vacinados jovens dos 12 aos 16 com comorbilidades

Marta Temido referiu ainda que o processo de vacinação dos 12 aos 16 está dependente do parecer da Direção Geral da Saúde, sublinhando que “o entendimento da Comissão Técnica é que será desejável dispor de mais algum tempo para perceber em detalhe os calendários” e ter informações mais concretas. Ainda assim, a ministra garantiu que tudo está preparado para vacinar os menores 18 anos na última semana de agosto.