As autoridades gregas encerraram esta terça-feira a Acrópole e outros locais históricos ao público durante várias horas da tarde até sexta-feira, devido à onda de calor que afeta o país, considerada a mais grave em 30 anos.

Grécia enfrenta onda de calor com temperaturas que podem atingir 45 graus

O clima extremo deverá manter-se durante toda a semana, depois de as temperaturas terem atingido os 46 graus Celsius (ºC) na segunda-feira, ultrapassando o recorde registado em 1987, quando uma onda de calor do mesmo tipo provocou 1.300 mortos.

A Acrópole de Atenas, que está normalmente aberta no verão das 8h00 às 20h00, terá horário reduzido até sexta-feira, fechando ao público do meio-dia às 17h00. A decisão foi tomada depois de a temperatura no solo da Acrópole ter atingido 55 ºC.

De acordo com a Proteção Civil grega, citada pela agência EFE, todos os sistemas de prevenção estão em alerta máximo, especialmente o controlo aéreo e terrestre das áreas onde podem ocorrer incêndios, embora o risco seja muito elevado na maioria das regiões do país.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os bombeiros lutam há vários dias para extinguir um incêndio na ilha de Rodes, e após a evacuação preventiva de algumas aldeias tem sido possível evitar mais danos.

Também ocorreram incêndios nos últimos dias na região central da Grécia, onde foi registada a temperatura recorde de 46,3 ºC, na segunda-feira, na aldeia de Makrakomi.

O operador grego de distribuição de eletricidade anunciou que durante o dia de hoje, nas horas de mais calor, haverá cortes intermitentes de energia em algumas partes do país para evitar um apagão generalizado.

Na segunda-feira, o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, apelou à população para limitar ao máximo o consumo desnecessário de eletricidade. Mitsotakis admitiu na altura que a Grécia estava a viver a “pior vaga de calor desde 1987”.

Em todo o país, foram criadas salas climatizadas, abertas todo o dia, para que pessoas mais vulneráveis se possam refugiar do calor.

A Associação Médica de Atenas apelou ao público para levar a sério a onda de calor e exortou os cidadãos a não viajar durante as horas mais quentes, a beber muita água, a evitar beber bebidas alcoólicas e a tomar banho frequentemente com água morna.

Segundo os peritos, as condições meteorológicas são particularmente perigosas, especialmente porque as noites são extremamente quentes, com o termómetro próximo dos 30 ºC.

Nos meios de comunicação social esta terça-feira, segundo a EFE, muitas pessoas recordam os horrores de 1987, quando uma onda de calor de 11 dias em julho deixou 1.300 mortos, a grande maioria na região de Atenas.

A grande diferença entre então e agora, sublinham os especialistas, é que nessa altura poucas casas tinham ar condicionado e não tinham sido criados pontos de arrefecimento.