O presidente eleito da Câmara de Castelo Branco, Leopoldo Rodrigues (PS), disse este domingo que esta é uma vitória importante para o Partido Socialista e “muito importante” para os albicastrenses.

“Este era o resultado que esperávamos desde o princípio. É natural que esteja satisfeito. Esta é uma vitória importante para o Partido Socialista e eu diria mais, esta e uma vitória muito importante para Castelo Branco e para os albicastrenses”, afirmou Leopoldo Rodrigues aos jornalistas, junto à sede do PS, no Largo de São João.

O vencedor das eleições autárquicas no concelho de Castelo Branco que manteve o governo do município nas mãos dos socialistas, dirigiu as suas primeiras palavras para os albicastrenses, “para aqueles que foram às urnas, para aqueles que acreditaram no PS e também para aqueles que votaram nas outras forças concorrentes a estas eleições”.

“Ganha a democracia, ganha o PS porque teve mais votos, mas ganha a democracia, porque tivemos aqui uma bom exemplo de democracia e de relação democrática”, vincou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Leopoldo Rodrigues agradeceu ainda aos militantes e simpatizantes do PS que votaram nas suas listas para as 10 freguesias onde foram vencedores e também para aquelas onde não vencendo, obtiveram bons resultados.

“É de facto uma vitória da humildade, da resiliência e é sobretudo uma vitória de uma grande dedicação a Castelo Branco e aos albicastrenses”, frisou.

O socialista realçou que a vitória “não tem nenhum sabor especial” por ser contra o antigo presidente da Câmara de Castelo Branco, Luís Correia.

“Neste momento o mais importante é que o PS ganhe as eleições. Relativamente à gestão da Câmara trataremos dela nos próximos dias. Tenho a certeza que não teremos nenhuma dificuldade em governar a Câmara de Castelo Branco. Somos pessoas de consensos e havemos de encontrar a forma de governar a Câmara e de levar Castelo Branco para a frente e lutar por Castelo Branco”, concluiu.

Nas eleições de 2017, o PS conquistou cinco mandatos, enquanto o PSD elegeu dois vereadores.

Na corrida à presidência da autarquia estavam Luís Correia (MI — Sempre — Movimento Independente), Leopoldo Rodrigues (PS), João Belém (PSD/CDS/PPM), Rui Paulo Sousa (Chega), Rui Amaro Alves (MPT — Partido da Terra), Felicidade Alves (CDU) e Margarida Paredes (BE).