Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A ex-ministra socialista e candidata presidencial Maria de Belém Roseira é o nome que irá ser proposto pela lista institucional, liderada por Virgílio Lima, para presidir à Mesa da Assembleia-Geral da mutualista Montepio, um lugar ocupado nos últimos anos pelo padre Vítor Melícias.

A informação, obtida pelo Observador junto de fontes próximas do processo, foi confirmada esta quinta-feira pela própria. Maria de Belém confirma que se irá candidatar, um passo que será formalmente dado assim que o supervisor ASF (Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões) dê a “luz verde” aos vários nomes propostos nas quatro listas a concurso, algo que deve acontecer na próxima semana.

Sou mutualista há mais de cinco décadas e considero o mutualismo uma resposta muito ajustada aos desafios com que a Humanidade se confronta em termos de sustentabilidade ambiental, social e económica”, referiu Maria de Belém Roseira.

Nos últimos anos, à medida que se adensaram as suspeitas e os processos judiciais (e no Banco de Portugal) em torno de Tomás Correia, Maria de Belém foi uma das figuras públicas criticadas pelo facto de continuar a apoiar a lista liderada pelo antigo presidente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Invariavelmente, Maria de Belém enquadrou esse alinhamento no facto de ter sempre apoiado a lista institucional no Montepio (que emerge do conselho de administração em funções) – uma lista onde sempre teve uma grande influência Vítor Melícias, de quem é muito próxima.

Tomás Correia faz campanha pela “Lista de Quadros” nas eleições ao Montepio

Quanto a Vítor Melícias, hoje com 83 anos, já era conhecido que não estaria disponível para novo mandato neste importante cargo na maior mutualista do país, que reúne cerca de 600 mil portugueses. No seio da atual administração, há longos meses que tem sido preparada a saída de Melícias e esse trabalho focou-se no nome da ex-ministra socialista que nos últimos anos foi um dos membros do extinto Conselho Geral do Montepio.

Em entrevista recente ao jornal Nascer do Sol, Vítor Melícias confirmou a saída, após quatro décadas ligado à instituição: “Não posso ficar eternamente no Montepio. Não tem sentido nenhum. O não me candidatar é um ato positivo de colaboração com a instituição, de apoio à renovação, à vida eterna da instituição”. Não está descartado, porém, que continue ligado à mutualista, entrando na chamada Comissão de Honra.

A lista liderada por Virgílio Lima às próximas eleições da mutualista Montepio, a lista incumbente, inclui o nome de Rui Heitor, que é um dos administradores não-executivos do Banco Montepio. Além disso, continuam na lista atual Idália Serrão, ex-deputada socialista, e entra (como não-executivo) o socialista Luís Patrão, como o Observador antecipou no final de junho.

Montepio. Lista incumbente, de Virgílio Lima, inclui administrador do Banco Montepio

Porém, esta lista também conta com pelo menos uma figura mais ligada ao PSD, José Eduardo Martins, comentador televisivo e advogado que foi secretário de Estado de Durão Barroso e de Santana Lopes e que é um dos promotores do festival de Paredes de Coura e do Primavera Sound (ambos patrocinados pela Associação Mutualista).