Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma nova boca eruptiva abriu-se esta segunda-feira à tarde no Cumbre Vieja, em La Palma, e está a emitir um “impressionante” fluxo de lava, informou o Instituto Vulcanológico das Canárias. Num momento em que se regista uma atividade vulcânica “muito violenta”, também o cone principal do vulcão voltou a colapsar.

Segundo os especialistas, há cinco bocas ativas no vulcão, que estão a emitir lava. Não é de descartar ainda que se abram outras futuramente, mas deverão cingir-se à região em volta do cone principal, que é agora a maior preocupação dos cientistas, que temem que outro colapso possa dar origem a mais fluxos de lava.

A atividade sísmica estará longe de terminar e pode chegar mesmo a ter uma maior intensidade, noticia o El País. De acordo com María José Blanco, porta-voz do comité científico do Plano de Emergências vulcânicas das Canárias, os terramotos podem sentir-se em toda a ilha — o que pode aumentar a sensação de pânico na população.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Com o aumento de atividade vulcânica, também aumenta a superfície afetada pela lava. De acordo com a última contagem, já foram afetados 906,3 hectares pela lava em toda a ilha. Em termos concretos, 2.162 edificações já foram destruídas em La Palma. No entanto, María José Blanco expecta que os novos fluxos de lava tenham uma “direção ótima”, ou seja, não é esperado que atinja edifícios, indo, em vez disso, em direção ao mar.

No que diz respeito à qualidade do ar, a inversão térmica acima dos 1.500 metros está a favorecer a dispersão de gases nas localidades de Los Llanos de Aridane, El Paso e Tazacorte, e a concentração de partículas finas também melhorou nas últimas horas.

Quanto à nuvem de cinzas e enxofre (SO2), as autoridades espanholas informam que a sua atual disposição a sudoeste significa que as condições para o funcionamento dos aeroportos das Ilhas Canárias são favoráveis neste momento.