Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi uma possibilidade levantada pela imprensa depois da derrota caseira com o Aston Villa, tornou-se um cenário até provável após a goleada sofrida em Old Trafford frente ao Liverpool, parecia algo inevitável no seguimento de novo desaire no dérbi com o City. A continuidade de Ole Gunnar Solskjaer no comando do Manchester United foi durante vários meses um tabu mas com o passar dos encontros, sobretudo nesta temporada em que o clube de reforçou com Ronaldo, Varane e Jadon Sancho (e aumentou a folha salarial em 25%…), tornou-se num caminho de sentido único que pode agora ter chegado ao destino final.

Ronaldo tentou a bem mas há coisas que só se resolvem “a mal”: United é goleado pelo Watford e Solskjaer está prestes a cair

De acordo com o The Times, e na sequência da goleada sofrida esta tarde com o Watford, a administração dos red devils teve uma reunião de emergência para discutir o atual momento da equipa e as soluções para inverter a crise de resultados que colocou já a equipa a 12 pontos da liderança da Premier League quando a prova está ainda no primeiro terço. No final, a resposta era aquela que todos esperavam: o técnico estará mesmo de saída do Manchester United, faltando apenas a aprovação do dono do clube, Joel Glazer.

O The Guardian avança ainda com uma outra alteração de contexto que ajudará a explicar a queda de Ole Gunnar Solskjaer. A seguir à humilhação caseira com o Liverpool, Ed Woodward, vice executivo, Richard Arnold, diretor técnico, e o próprio Alex Ferguson consideraram que o norueguês continuava a ser a melhor opção para o clube, algo que mereceu a aprovação da família Glazer; agora, a ideia que passa é que todos perceberam a inevitabilidade de uma saída a bem da equipa depois da forma como voltou a perder. Mais: alguns tabloides britânicos avançam mesmo que o treinador já se terá começado a despedir.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Um líder chamado Bruno Fernandes: médio recusa colocar Solskjaer como único alvo e diz aos adeptos que culpa é de todos

De referir que, depois de nova derrota que adensou uma série com apenas um triunfo em sete partidas da Premier League, os adeptos manifestaram o seu descontentamento com o técnico, defendido por jogadores como Bruno Fernandes que, por gestos, explicou que a culpa era de todos e não apenas do norueguês. “Jogar só na segunda parte não é suficiente na Premier League. O Watford é uma boa equipa, agressiva, e se lhe dermos oportunidades aproveitam-nas. É um problema que temos há vários jogos. Aqui, a culpa é de todos, não é só do treinador ou de um ou dois jogadores. Toda a gente tem de assumir a responsabilidade e fazer melhor”, disse depois o internacional português nas entrevistas rápidas.

“Sempre acreditei em mim. Claro que este é um momento complicado para nós mas confio em todos para darem máximo. O staff é fantástico, os resultados são difíceis mas acredito que podemos ainda dar a volta. Reação no final do jogo? Percebo os fãs, que seguem o clube para todo o lado. Tivemos um período mais complicado quando Sir Alex [Ferguson] saiu mas os adeptos têm sido incríveis. As contratações esta época aumentaram as expetativas, esperávamos aproveitar esse momento mas não conseguimos ainda encontrar a nossa melhor forma. A primeira parte foi das piores que jogámos. Foi uma desilusão para nós e para os fãs e é complicado nesta altura estar aqui e dar explicações”, comentou Solskajer após o encontro.

Depois de ter feito mais de uma década como jogador do Manchester United até 2007, quando tomou a decisão de terminar a carreira, o escandinavo passou ainda pelas camadas jovens do clube como treinador antes de duas experiências no Molde e uma outra pelo meio em Cardiff. No final de 2018, na sequência da saída de José Mourinho, Solskjaer voltou a Old Trafford e passou de interino a técnico principal, posição que ainda hoje ocupa mas que pode deixar de ser sua nos próximos dias.