532kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Sites do jornal Expresso e da SIC hackeados com pedidos de resgate pelos piratas informáticos

Este artigo tem mais de 6 meses

Impresa diz que vai apresentar queixa-crime. Subscritores da Opto receberam esta 2ª feira SMS de hackers. Veja aqui como pode continuar a ler as notícias do Expresso e da SIC Notícias.

Grupo Lapsus$ já tinha, em dezembro, sido associado a ataques informáticos no Brasil
i

Grupo Lapsus$ já tinha, em dezembro, sido associado a ataques informáticos no Brasil

Grupo Lapsus$ já tinha, em dezembro, sido associado a ataques informáticos no Brasil

Pode ler as notícias do Expresso através do Facebook, Instagram ou LinkedIn e aceder aqui aos artigos da SIC Notícias

Os sites do jornal Expresso e da SIC foram alvo de ataque informático. A informação foi confirmada pelo grupo Impresa, que detém os dois meios. A Impresa diz ainda estar a colaborar com a Polícia Judiciária e o Centro Nacional de Cibersegurança e anuncia que “apresentará uma queixa-crime“. Os sites continuam indisponíveis e as notícias estão a ser dadas através das contas de redes sociais do grupo.

Entretanto, já esta segunda-feira, os subscritores da plataforma de streaming Opto, que pertence à SIC — estação detida pelo grupo Impresa —, receberam um SMS nos seus telemóveis que terá sido enviado pelo grupo que operou o ataque informático.

Subscritores da plataforma Opto, da SIC, receberam SMS no telemóvel enviada por hackers

Na SMS, que surge assinada como “Obrigado, Expresso” mas que terá sido enviada pelos hackers e que não deve ser aberta, lê-se: “Anunciamos Lapsus$ como o presidente de Portugal”.

A SMS enviada esta segunda-feira ao subscritores do serviço OPTO, da SIC (@ D.R.)

Também ao início da noite de este domingo os subscritores das newsletters do Expresso tinham recebido um e-mail do grupo Lapsus$, que reivindica a autoria do ataque. O e-mail foi enviado pelo endereço expresso@news.impresa.pt, a partir do qual as newsletters do semanário eram habitualmente enviadas. A direção do semanário, em comunicado dirigido aos leitores, já deixou uma nota sobre esse e-mail.

“No seguimento do ataque informático que o Expresso foi alvo, foi enviado um email com o subject: ”BREAKING Presidente afastado e acusado de homicídio” cuja autoria não é do EXPRESSO. Recomendamos que o apague“, lê-se no comunicado enviado pela Direção do Expresso

No site da SIC chegou a surgir este domingo a informação de que o grupo Lapsus$ seria o autor da ação. “Os dados serão vazados caso o valor necessário não for pago. Estamos com acesso nos painéis de ‘cloud’ (AWS). Entre outros tipos de dispositivos, o contato para o resgate está abaixo”, lia-se na mensagem assinada pelo “grupo Lapsus$”, entretanto já alterada, que pedia dinheiro em troca da recuperação do controlo dos sites.

A informação que consta no site da SIC

O valor do pedido de resgate não era referido. A mensagem chegou também a estar visível no site do Expresso, inicialmente. Entretanto, os dois sites do grupo Impresa passaram a mostrar nova informação, dizendo apenas estar indisponíveis.

Imagem que apareceu à hora de almoço de domingo nos sites da Impresa

No Twitter do jornal Expresso foi ainda publicado um post dos alegados piratas informáticos.

Caso semelhante aconteceu com a página de fotografia “Olhares” e o jornal regional O Mirante, ambos alojados da mesma rede que os sites da Impresa.

Impresa anuncia queixa-crime contra “atentado à liberdade de imprensa”

Um “atentado nunca visto à liberdade de imprensa em Portugal na era digital”: foi assim que o grupo Impresa descreveu o ataque informático de que foi alvo, confirmando-o e adiantando ainda que apresentará uma queixa-crime pelo sucedido, em nota oficial divulgada ao final da tarde de domingo.

O grupo Impresa tem trabalhado com as autoridades competentes, nomeadamente com a Polícia Judiciária e com o Centro Nacional de Cibersegurança, e apresentará uma queixa-crime”, indica o comunicado.

Antes, num comunicado anterior partilhado na página de Facebook do Expresso, o grupo Impresa já confirmava que os sites, assim como algumas das suas páginas nas redes sociais, estavam “temporariamente indisponíveis”, dizendo ter sido “aparentemente alvo de um ataque informático”. O grupo assegurava ainda que estavam a ser “desencadeadas ações no sentido de resolver a situação”.

Os anteriores ataques do grupo Lapsus$

Este grupo Lapsus$ já tinha, em dezembro, sido associado a ataques informáticos no Brasil, aos sites do Ministério da Saúde brasileiro, do serviço de saúde e do portal Covid. Na altura, os jornais brasileiros identificavam o grupo como sendo constituído por colombianos e um espanhol.

Nesse ataque a vários organismos de saúde, diversos sistemas ficaram indisponíveis, incluindo o da emissão de certificados de vacinação Covid-19. Segundo os jornais brasileiros, a aplicação ConecteSUS ficou, mesmo, indisponível durante semanas e continua com instabilidades e informações incompletas.

Já no final do ano o grupo está associado a outro ataque — o da operadora brasileira Claro. Canais de atendimento, os serviços de recarga de pré-pagos e sistemas internos das lojas ficaram indisponíveis nos passados dias 27 e 29 de dezembro. A operadora recusou a confirmar o ataque, mas o grupo publicou fotos da captura de écrãs com os sistemas internos da operadora e alegam ter acedido 10.000 TB de dados.

O que é o “ransomware”, responsável pelo ataque informático aos sites do Expresso e da SIC?

Centro Nacional de Cibersegurança diz que este é o primeiro ataque de que tem conhecimento do grupo em Portugal

Contactado pelo Observador, o coordenador do Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS), Lino Santos, diz que, da informação que o Centro tem, o grupo Lapsus$ “está a atuar pela primeira vez em Portugal“.

O CNCS está em “contacto direto” com a equipa de informática do Grupo Impresa, explica, e a “prestar o apoio necessário para perceber qual foi o vetor de intrusão e recuperar do ataque”. Questionado sobre se os hackers têm informação pessoal dos assinantes digitais e outros leitores das publicações, Lino Santos diz que não pode “entrar em detalhe”.

Como se raptou o primeiro computador: a história com 33 anos que envolve o vírus da sida, um biólogo e um criptovirologista da Google

Na mensagem que os hackers deixaram nas páginas do Expresso e da SIC, podia ler-se que os sites sofreram um “ransomware”, um tipo de ataque em que são roubados dados que são, de seguida, encriptados, o que dificulta o acesso aos mesmos. Lino Santos explica que o resgate pedido serve para “libertar os dados, ou seja, dar a chave de cifra”.

Questionado sobre como está o grupo a resolver o problema, Lino Santos também não quis dar pormenores. Diz que o Centro tem aconselhado as organizações a terem “backups atualizados” (ou seja, cópias da informação), não acessíveis online. “Uma vítima que tenha backups de toda a informação tem outro leque de atuação perante uma situação destas, é muito mais fácil recuperar”, indica. Se é o caso da Impresa? Não refere. Estes backups devem, no entanto, ser atualizados com frequência para que possam funcionar perante um ataque. O tempo para a resolução do problema depende do volume de informação e da “estratégia de reposição” do grupo, que está “a avaliar qual a melhor de rapidamente recuperar”, afirma.

Notícia atualizada às 16h57 de dia 4

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.