Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ano novo, preços novos. Na eletricidade havia a expetativa de que a fatura da luz baixasse em janeiro porque o regulador determinou uma descida de 0,6% na tarifa regulada que se aplica ainda a mais de um milhão de consumidores domésticos. Mas para a maioria dos clientes que têm contrato individual isso não aconteceu. Antes pelo contrário. Um estudo divulgado pela plataforma Payper.pt indica que a generalidade das empresas aumentou os preços nos contratos em vigor, tanto na componente fixa, como na componente de energia.

Segundo a Payper.pt, entre a dezembro de 2020 e janeiro de 2021, os preços praticados pelas principais empresas juntos dos clientes já em carteira subiram, com aumentos que chegaram até aos 7%. A conclusão resulta de uma análise aos dados obtidos a partir de um algoritmo aplicado a mais de 6.000 faturas carregadas pelos clientes desta plataforma, que faz comparações de preços e apoia a mudança de comercializador. Existem muitos simuladores de preços de eletricidade que se baseiam nas ofertas disponíveis para quem quer mudar de fornecedor, mas há muito pouca informação sobre a evolução dos preços nos contratos que são mantidos.

Esta plataforma foi comparar as faturas do último mês de 2020 e do primeiro mês de 2021, quando as empresas refletem as variações definidas pelo regulador, mas também ajustam as estratégias comerciais, e refletem o custo a que compraram a eletricidade para assegurar a procura dos seus clientes. Com a descida do IVA em dezembro e crescimento do consumo nos primeiros dias de janeiro, o impacto na fatura destas mexidas nos preços pode até nem ter sido percebido por muitos consumidores.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.