Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Se Serena Williams tivesse ganho a final feminina do US Open no último fim-de-semana seria o 24.º grande título da carreira da norte-americana. Mas as coisas não estavam a correr de feição para a atleta de 37 anos: Naomi Osaka, de apenas 20, filha de pai haitiano e mãe japonesa, que quando chegou aos EUA já Serena ganhava troféus, estava a ser melhor em campo que a sua ídolo. Na esperança de reverter a situação, Patrick Mouratoglou, treinador de Williams, começou a gesticular para dentro de campo para dar indicações à tenista. O gesto, proibido pelas regras, valeu a primeira de três advertências do árbitro português Carlos Ramos, a perda de estribeiras da atleta, numa sucessão de acontecimentos que acabou com a perda do jogo e a derrota final. Mas foi muito mais que isso. Foi o início de um novo debate sobre o sexismo no mundo do desporto. E de uma divergência entre os mais conhecidos defensores dos direitos das mulheres que chegaram a Portugal. 

Serena Williams foi mal educada ou o árbitro reagiu com ela de forma diferente por ser mulher e não faria o mesmo se fosse um homem a falar-lhe no mesmo tom?

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.